Núcleo de

Advocacy

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Audiência na Câmara debate projeto sobre direito dos pacientes

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 11/05/2018 - Data de atualização: 11/05/2018


O que houve?

Aconteceu nesta quarta-feira (10), na Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara dos Deputados, audiência pública para debater o PL nº5569/2016 que trata dos direitos dos pacientes em hospitais públicos e privados que operem com planos de assistência à saúde. O projeto é de autoria do deputado Pepe Vargas (PT-RS), que também foi o solicitante do debate, do deputado Chico D’Ângelo (PT-RJ) e do deputado Henrique Fontana (PT-RS) e sugere uma norma que atribua titularidade de direito aos pacientes. Na justificativa, os autores explicam que "embora haja leis estaduais e normas infralegais sobre o direito dos usuários, não há nenhuma norma que atribua titularidade de direitos aos pacientes”.
 
O primeiro convidado a contribuir com o debate foi o Dr. Rogério Amoretti, médico psicanalista do Comitê de Bioética do Grupo Hospitalar Conceição (GHC) no Rio Grande do Sul, e reforçou a necessidade de uma lei de alcance nacional que dê direitos e deveres aos pacientes e que essa sugestão é diferente do Código de Defesa do Consumidor, pois o paciente não está em condição de consumo. Além disso, apresentou a Carta de Direito aos Pacientes do GHC, que foi utilizada de exemplo para elaboração do projeto de lei, e conta com alguns direitos como a participação das decisões sobre o seu tratamento, acesso ao prontuário médico e direito à cópia dele sem ônus, direito de autodeterminação, isto é, decisão sobre a aceitação ou não do tratamento, o direito de receber cuidados paliativos, entre outros.
 
Aline Albuquerque de Oliveira, advogada da União, afirmou que o projeto de lei também propõe auxílio na solução de conflitos de forma extrajudicial, tentando evitar a judicialização. Em sua apresentação, trouxe seis outras leis no Brasil que tratam do assunto além da informação de leis parecidas que já existem em outros países, inclusive Argentina, Chile e Equador, sendo que, de acordo com a participante, é necessário que o Brasil preencha a lacuna existente na legislação sobre o assunto.
 
Dr. Etelvino de Souza Trindade, da Associação Médica Brasileira (AMB), por outro lado, falou que o PL nº 5569/16 não é suficiente, já que alguns dos direitos acabarão não se cumprindo por falta de recursos. "Já existem leis demais, é preciso mais responsabilidades que leis”, afirmou Dr. Etelvino. Dr. Etelvino finalizou afirmando que a AMB quer participar do processo como partners e não como players, isto é, participar ativamente do processo.
 
Dra. Nathália Pinheiro Müller, especialista em oncologia cirúrgica, afirmou que a criação de novas leis não garante a diminuição da judicialização e que é necessário ver o cumprimento da legislação já vigente. "É uma lei redundante com vários conceitos muito vagos porque esses direitos já são garantidos na Constituição Federal e em outros dispositivos”, afirmou a Dra. Nathália. Além disso, consta no projeto que haverá o tratamento no sexo que a pessoa deseja, o que, de acordo com a médica, pode ser complicado já que existem variações biológicas entre os sexos e isto poderia comprometer o tratamento em algum momento, ou gerar erros médicos.
 
Luciana Holtz, presidente do Instituto Oncoguia, participou do evento por videoconferência e trouxe a perspectiva dos pacientes ao afirmar que a realidade é diferente da teoria e a busca pelos direitos dos pacientes possui muitas barreiras burocráticas. Segundo ela, a importância da lei é justamente explicitar o direito e as responsabilidades. Luciana trouxe também duas colocações importantes: primeiro, a necessidade de desburocratização do acesso ao prontuário Segundo, Luciana comentou que para haver a possibilidade do paciente opinar sobre o seu tratamento é preciso uma mudança na postura de alguns médicos, pois ainda há uma barreira na relação médico paciente, no momento de ambas a partes compartilharem e decidirem em conjunto o tratamento. Luciana aproveitou sua fala para sugerir a criação do Dia Nacional dos Direitos dos Pacientes.
 
E agora?

O deputado Pepe Vargas (PT-RS) finalizou afirmando que o texto pode ser melhorado, principalmente no que trata da resolução de conflitos entre médicos e pacientes. A proposta está em análise na Comissão de Seguridade Social e Família e já foi aprovada pela Comissão de Direitos Humanos e Minorias. O texto tramita em caráter conclusivo e será examinado também pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2018 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive