Núcleo de

Advocacy

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Audiência debaterá forma de financiamento das momografias

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 29/08/2019 - Data de atualização: 29/08/2019


O que houve?

A Comissão de Seguridade Social e Família (CSSF) aprovou, nesta quarta-feira (28), o Requerimento n° 279/19, das deputadas Carmen Zanotto (CIDADANIA-SC), e Tereza Nelma (PSDB-AL), que solicita a realização de audiência pública para avaliar os impactos das Portarias MS/SAS nº 1.253/13 e MS/GM n° 15/18, que redefiniram a forma de financiamento das momografias de rastreamento.

A Portaria MS/SAS nº 1.253/13, determina que as mamografias realizadas em mulheres com idade entre 50 e 69 anos sejam financiadas com recursos provenientes do Fundo de Ações Estratégicas e Compensação (FAEC).

Já a Portaria nº 61,/15, torna pública a decisão de não ampliar o uso da mamografia para o rastreamento do câncer de mama em mulheres assintomáticas com risco habitual fora da faixa etária atualmente recomendada (50 a 69 anos) no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS).

De acordo com as deputadas, as normas do Ministério da Saúde contrariam um direito já expresso na Lei n° 11.664/08, sobre a efetivação de ações de saúde que assegurem a prevenção, a detecção, o tratamento e o seguimento dos cânceres do colo uterino e de mama, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). “O texto da lei é cristalino ao estabelecer que o exame mamográfico é assegurado para todas as mulheres com idade superior a 40 anos, independentemente de qualquer outro fator. A portaria do Ministério da Saúde, está, assim, estabelecendo norma que se contrapõe frontalmente ao comando da legislação federal”, argumentaram.

Para as deputadas, mais grave que afrontar uma determinação legal, é restringir a oferta de exame capaz de detectar precocemente uma doença. “Certas de que os membros da comissão são sensíveis a este tema de grande relevância, pedimos a aprovação do requerimento”, finalizaram.
 
Serão convidados para debater o tema:

  • Representante do Ministério da Saúde.
  • Representante do CONASS.
  • Representante do CONASEMS.
  • Observatório de Oncologia.
  • Representante da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC).


E agora?

A data para a realização da audiência pública será definida posteriormente.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive