Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Danone Nutricia Sanofi Grunenthal Sirtex Servier Oncologia


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

"Até 70% dos tumores vão ter indicação de imunoterapia", diz oncologista

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 18/09/2020 - Data de atualização: 18/09/2020


Ainda que não tenham encontrado uma cura definitiva para o câncer, cientistas avançam em pesquisas que otimizam tratamentos ao redor do mundo. Uma das mais promissoras é a imunoterapia, como explicou ao CB.Saúde — parceria do Correio com a TV Brasília — desta quinta (17/9) o oncologista e diretor-geral do Sírio-Libanês em Brasília, Gustavo Fernandes.

"A imunoterapia, para câncer, é algo que a gente sempre sonhou em fazer. Desde que a gente tem noção de como um câncer se desenvolve, se tem a ideia de que para poder um câncer crescer dentro de você o sistema imune precisa falhar. Ele precisa não enxergar que tem uma coisa que está crescendo em você, que está indo contra você, para poder deixar aquilo crescer", detalhou o médico.

Fernandes colocou que as pesquisas se desenvolveram a partir desse entendimento. "O seu sistema imune tem os elementos para matar o tumor. Então, síndromes que cursam com o aumento do número de câncer podem ser síndromes associadas à redução do sistema imune. Você tem um sistema imune suprimido, você faz com que o indivíduo tenha mais câncer. Então, a imunoterapia nada mais é do que liberar o sistema imune ou estimular o sistema imune para que ele ache o tumor no seu próprio corpo. Lidar com seus próprios potenciais para isso", ilustrou.

O médico comemorou que, desde 2011, diversos países avançaram na liberação dos testes clínicos. "Uma droga americana com inibidor de CTLA-4, que faz com que o linfócito entenda melhor como achar o câncer, foi aprovada nos Estados Unidos. Em 2014, uma segunda droga foi aprovada. Esses dois mecanismos de droga foram patenteados e estão disponíveis no Brasil, no SUS, começou agora", destacou.

Esse tratamento rendeu aos pesquisadores que o desenvolveram o Prêmio Nobel de Medicina em 2018. A principal marca da imunoterapia é que ela pode ser usada em diversos tipos de tumor. Segundo o diretor-geral do Sírio-Libanês, essa deve ser uma das principais terapias para tumores a médio prazo. "Hoje, a gente considera que até 70% dos tumores vão ter indicação de imunoterapia no médio prazo — dois, três anos. Nos Estados Unidos esse número já bateu em 50%. O que se tem de pesquisa hoje, a grande maioria, vai nessa direção”, previu.

Ele também falou sobre o panorama geral da saúde pública no país. Para Fernandes, o Sistema Único de Saúde (SUS) é um avanço, mas esbarra em problemas como as desigualdades e o baixo financiamento.

Fonte: Correio Braziliense

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2020 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive