Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Associações pedem que leis que agilizam exames e tratamentos sejam cumpridas

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 14/05/2021 - Data de atualização: 14/05/2021


Você sabe o que é a jornada de um paciente com câncer? Segundo Luciana Holtz, fundadora e presidente do Instituto Oncoguia, trata-se de um conceito que situa e organiza todas as etapas no enfrentamento de uma doença. “Ela ajuda a entender o passo a passo, mas também a identificar os principais problemas e barreiras.”

A discussão sobre a jornada ideal do paciente versus o que ele enfrenta na realidade abriu o segundo dia do 11º Fórum Nacional de Políticas de Saúde em Oncologia On-line.

Segundo Luciana, a jornada ideal começa com uma pessoa que tem o compromisso diário de manter sua saúde em ordem. Para isso, é fundamental adotar hábitos saudáveis, como praticar atividade física, ter uma alimentação saudável, controlar o excesso de peso, não fumar e realizar exames médicos periódicos de acordo com a idade.

Para os cerca de 70% da população brasileira que dependem exclusivamente do Serviço Único de Saúde (SUS), o acompanhamento e a manutenção da saúde devem ser feitos nas Unidades Básicas de Saúde (UBS).

Quando a pessoa percebe alguma sinal ou alteração no corpo (como um caroço no seio) ou recebe o resultado de um exame alterado, ela deve ser encaminhada a um médico especialista nos Ambulatórios de Especialidades (AMES), para avaliação ou exames complementares, como biópsia.

“A biópsia vai concluir a primeira etapa do diagnóstico, informando se o tumor é benigno ou maligno. E é importante saber se esse câncer está em estágio inicial ou avançado”, disse Luciana.

Nessa primeira parte da jornada, o destaque fica para a importância da lei dos 30 dias (n° 13.896/19). Sancionada em 2019, ela assegura a pacientes do SUS com suspeita de câncer o direito à realização de exames diagnósticos no prazo máximo de 30 dias. Essa é a teoria. Na prática, o paciente enfrenta inúmeras barreiras.

Daniele Castelo Branco, gestora da Associação Nossa Casa, explicou que essa lei foi criada para tentar diminuir o tempo entre a consulta com o especialista e a biópsia, para que os pacientes tenham acesso ao diagnóstico em tempo hábil de começar um tratamento bem-sucedido. “Mas há um gargalo enorme no SUS. O paciente passa tanto tempo entre a consulta com o especialista e a biópsia que, quando tem o diagnóstico, a doença está em estágio avançado.”

Daniele citou algumas das dificuldades enfrentadas. Se o paciente, por conta das filas na UBS, tem o resultado do exame alterado a partir de uma clínica popular, por exemplo, tem que voltar à UBS e começar o processo do zero. Outro problema é a falta de integração entre a atenção primária (UBS) e a secundária (AME). “A pandemia atrasou ainda mais essa jornada. Piorou uma realidade que já não era boa”, disse.

Vencida a etapa do diagnóstico, o primeiro tratamento (cirurgia, quimioterapia ou radioterapia) deveria ser definido de forma personalizada pelo oncologista e começar o quanto antes. “Não é o que acontece, daí a importância da lei dos 60 dias (n° 12.732/12), de maio de 2013, que garante ao paciente com câncer o direito de iniciar o tratamento no SUS em, no máximo, 60 dias após o diagnóstico da doença”, afirmou Daniele.

“A demora no diagnóstico impacta no tratamento como um todo”, disse

Leoni M. Simm, socióloga e presidente voluntária da Amor e União Contra o Câncer (AMUCC). Ela listou os principais desafios do acesso ao tratamento: demora no diagnóstico, o câncer é descoberto em estágios avançados, gerando maiores gastos e menores chances de cura; erros no encaminhamento do paciente e problemas na classificação no Sisreg, o sistema de regulação do SUS para solicitação de exames e procedimentos de média e alta complexidade; falhas no acesso ao gerenciamento de filas; demora no início do tratamento de pacientes graves; e falta de medicamentos essenciais para o tratamento do câncer, gerando interrupção do tratamento.

Merula Steagall, presidente da Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia (Abrale) e idealizadora do Movimento Todos Juntos Contra o Câncer (TJCC), finalizou a discussão lembrando da importância do empoderamento do paciente, que deve estar informado, atento e ser persistente na busca por seus direitos e para tentar acelerar os processos.

Matéria publicada por Folha de S. Paulo em 13/05/2021.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive