Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Astellas UICC Libbs GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Associações e especialistas elogiam decisão de suspender fosfoetanolamina

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 21/05/2016 - Data de atualização: 21/05/2016


Para o presidente da Associação Médica Brasileira (AMB), Florentino Cardoso, a decisão do Supremo de suspender a lei que liberou 'pílula do câncer' resgata a credibilidade que o País tinha na comunidade científica internacional. "Recebemos várias manifestações de que o Brasil não era um país sério. Essa mácula está sendo corrigida. A decisão resgata esse prestígio na comunidade médica internacional", disse.

Segundo Cardoso, é dever da classe médica recomendar aos pacientes somente tratamentos com eficácia e segurança comprovadas. "Nossa conduta deve ser pautada no conhecimento técnico e forte evidência científica. O que defendemos é que essa substância siga todo o trâmite necessário da agência reguladora", opinou.

O presidente do Conselho Federal de Medicina (CFM), Carlos Vital, também elogiou a suspensão. "O CFM não recomenda a incorporação da fosfoetanolamina no arsenal terapêutico antineoplásico até o seu reconhecimento científico", disse a entidade, em nota oficial.

Professor do Instituto de Física de São Carlos (IFSC) da USP e especialista na descoberta de novos fármacos, Glaucius Oliva destacou que a liberação da fosfoetanolamina abria precedentes perigosos. "Mais preocupante que os riscos potenciais dessa substância - que desconhecemos - foi o desenrolar desse episódio, que colocou em risco todo um sistema de segurança farmacológica com base em evidências científicas, que foi construído ao longo de décadas", disse o ex-presidente do CNPq.

Atual presidente do Instituto Oncoguia, ONG que dá suporte a pacientes com câncer, Luciana Holtz afirma que a decisão dos ministros foi "uma medida bastante ponderada diante de uma substância ainda tão cheia de dúvidas". "Precisamos de mais respostas e de segurança. Os estudos clínicos vão começar e temos de aguardar os resultados."

Matéria publicado no Estadão em 20/05/2016


Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2022 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive