Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Danone Nutricia


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

[ARTIGO] Tratamento igual para Dilma e para todas as brasileiras

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 15/09/2015 - Data de atualização: 15/09/2015


"Eu quero que todas as mulheres do Brasil tenham acesso às mesmas coisas que eu tive. Sou beneficiária de uma prevenção. Eu tive um câncer, o câncer foi detectado no princípio e eu tive um processo de cura". A Presidente Dilma Rousseff pronunciou tais palavras durante o lançamento das ações de fortalecimento aos programas nacionais de controle do câncer de mama e do colo do útero, em Manaus, no dia 22 de março. Os programas, que integram a Política Nacional de Atenção Oncológica, apresentam ações de abrangência nacional previstas para os próximos quatro anos – e com investimentos da ordem de R$ 4,5 bilhões -  de controle do câncer de mama e do colo do útero, neoplasias mais incidentes entre mulheres brasileiras, e que se diagnosticadas precocemente apresentam grandes chances de cura. O Brasil terá neste ano aproximadamente 18,5 mil novos casos de câncer de colo de útero e 49,2 mil de câncer de mama (estimativas INCA).
 
A ampliação da cobertura nacional à mamografia, a criação de 20 centros especializados no diagnóstico e tratamento do tumor no colo do útero nas regiões Norte e Nordeste e o prazo máximo de 60 dias para o início do tratamento às mulheres diagnosticadas com câncer, foram medidas destacadas pela presidente, mulher curada de um câncer e consciente da importância imperativa na atenção especial à saúde da mulher.
 
Para que mulheres brasileiras atingidas pelo câncer tenham chances reais de vencê-lo, assim como Dilma Rousseff, algumas prerrogativas são essenciais e fundamentais. A Presidente, brasileira, assistida pelas mesmas leis que quaisquer das quase 97,5 milhões de conterrâneas está curada, pois teve acesso ao diagnóstico precoce; foi assistida por profissionais altamente qualificados;  realizou a cirurgia diagnóstica imediatamente após ter os primeiros sintomas, obtendo rápidamente o diagnóstico de câncer; iniciou as fases do tratamento posteriores ao diagnóstico em curto espaço de tempo; teve acesso às drogas mais modernas do mercado, mesmo as não incorporadas na lista do Sistema Único de Saúde na época do seu tratamento.
 
O Brasil tem avançado na formatação dos programas de prevenção aos cânceres que atingem a mulher, porém estes avanços ainda não levaram à grande aderência que seria necessária para reduzir as mortes pelo câncer.
 
Diretrizes de tratamento propostas pelo Ministério ainda deixam de contemplar importantes aspectos necessários à erradicação das mortes pelo câncer de mama e colo de útero. A idade mínima para o rastreamento do câncer de mama, por exemplo, é recomendada pelo Ministério da Saúde aos 50 anos, em descompasso com a idade de 40 anos que é consenso entre oncologistas e mastologistas.  Ainda em relação ao câncer de mama, a não-incorporação no SUS de medicações que alvejam a proteína Her-2 (presente em um quarto dos casos de câncer) tira a chance de cura ou de prolongar a sobrevida de um grande número de mulheres a cada ano. Sobre o câncer de colo de útero, a não incorporação da vacinação para HPV não se justifica, já que toda a estratégia de rastreamento não tem conseguido a aderência necessária à redução da mortalidade e, sabidamente, a vacina eliminaria mais de 90% das lesões precursoras do câncer. Também, a formatação de projetos regionais de educação em saúde deve ser avaliada.
 
O tratamento que livrou a presidente Dilma Rousseff do câncer foi de excelência incontestável. Quando todas as mulheres e homens brasileiros atingidos pela doença forem atendidos com a mesma primazia, a realidade do câncer no país, ainda demarcada por barreiras quase instransponíveis como o alto grau de desinformação, baixo acesso às ações e serviços de saúde e a não prontidão na realização de todas as fases do tratamento, será diferente.
 
Queremos um Brasil sem preconceito, sem sofrimento e sem mortes causadas pelo câncer.

Luciana Holtz 
Psico-Oncologista 
Presidente e Diretora Executiva do Instituto Oncoguia


Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2020 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive