Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Aranto mata células do câncer e pode servir de tratamento? Não é bem assim

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 25/04/2019 - Data de atualização: 25/04/2019


O aranto é uma planta que veio da África, mas se adaptou muito bem no Brasil. (Foto: Divulgação/SAÚDE é Vital)

O aranto (nome popular da kalanchoe daigremontiana) é uma planta ornamental que vem sido divulgada no universo online como suposto tratamento para o câncer. Vídeos com mais de um milhão de visualizações no Youtube, com depoimentos de agricultores ou pessoas não identificadas, dizem que seu extrato é capaz de matar células tumorais. Verdade ou fake news?

Conhecido também como “mãe de milhares”, o aranto é nativo da África, mas se adaptou facilmente ao clima brasileiro, onde também é encontrado. Trata-se de uma kalanchoe, uma espécie de planta suculenta que vive bem em regiões tropicais e subtropicais. Elas são utilizadas pela população da África e das Américas no tratamento de infecções e inflamações.

Só que existem poucos estudos confiáveis sobre as propriedades farmacológicas da família. A maioria é feita in vitro, ou seja, com células isoladas. “As pesquisas não chegaram na fase clínica, que testa os efeitos terapêuticos em seres humanos”, aponta o biomédico João Ernesto Carvalho, diretor da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade Estadual de Campinas, no interior de São Paulo, e membro da Câmara Técnica de Fitoterápicos da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

De onde vem a história que aranto cura o câncer?

A ciência começou a explorar há alguns anos a capacidade das kalanchoes em combater o câncer. Por exemplo, um estudo de 2015, conduzido por cientistas cariocas, mostrou que compostos isolados de outro tipo de kalanchoe, a tubiflora, podem atuar contra células agressivas de leucemia.

“Há trabalhos promissores em fase bastante inicial, mas que não justificam de forma alguma o uso da planta para tratamento de tumores”, comenta Sonia Costa, química do Núcleo de Pesquisas de Produtos Naturais da Universidade Federal do Rio de Janeiro, e uma das autoras do experimento.

O grupo de Sônia, um dos que mais se dedica à investigação das kalanchoes no Brasil, já descobriu outras possíveis propriedades delas, como a ação contra os vírus do herpes. Entretanto, não dá para extrapolar esses achados ou outros para a realidade.

“Não existem pesquisas que comprovem a atividade e a segurança da planta em seres humanos”, reforça Sonia. Infelizmente, das opções que parecem promissoras em testes iniciais, pouquíssimas se dão bem nas pesquisas com gente como a gente.

Em resumo, o uso caseiro do aranto e de seus familiares – seja como extrato, seja como um suco feito a partir das suas folhas – não deve ser visto como um tratamento para o câncer. “Há inclusive compostos na planta que podem ser tóxicos ao coração, especialmente para indivíduos com alguma doença cardiovascular”, alerta Carvalho.

Possibilidades para o futuro

Análises químicas das kalanchoes, incluindo o aranto, comprovam que elas carregam substâncias que seriam benéficas ao organismo, como quercetinas, flavonoides e ácidos fenólicos. Assim, é possível sejam mesmo empregadas para combater enfermidades no futuro.

Mas, para que essa planta – e qualquer outra – tenha algum valor como remédio, é preciso saber exatamente sua composição e a dosagem de cada substância, além do melhor método de produção, dos efeitos colaterais e, especialmente, dos reais benefícios.

Como chegar a isso? Avançando nas pesquisas e, se tudo der certo, fazendo testes em seres humanos, o que simplesmente inexiste até o momento.

Cuidado com as “plantas anticâncer”

Diversas espécies são estudadas por sua ação antitumoral, mas não há dados robustos sobre tratamentos naturais até agora. “As melhores opções até o momento são a quimioterapia, radioterapia e outras terapias convencionais”, aponta André Gonzaga dos Santos, do departamento de Princípios Ativos Naturais e Toxicologia, da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade Estadual Paulista de Araraquara.

Mesmo que haja um efeito positivo em determinado vegetal, a concentração de seus compostos benéficos varia conforme o clima e o solo onde ele cresce. “Uma xícara de chá, por exemplo, nunca terá a quantidade exata do composto do que outra”, comenta Santos. “E o uso concomitante de plantas medicinais com as terapias convencionais pode prejudicar o paciente”, finaliza o Gonzaga dos Santos.

Fonte: Saúde É Vital

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive