Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Após contrair Covid-19, homem tem redução de câncer em estágio avançado

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 28/01/2021 - Data de atualização: 28/01/2021


Se a notícia do diagnóstico de Covid-19 já é assustadora, ela fica ainda pior para pessoas com comorbidades. Porém, para um paciente em estágio avançado de um câncer que foi contaminado com o novo coronavírus, o que ocorreu foi exatamente o oposto.

O homem de 61 anos, diagnosticado com linfoma de Hodgkin em estágio III e hospitalizado no Royal Cornwall Hospital, na província de Cornuália, na Inglaterra, a 430 quilômetros de Londres, teve a remissão generalizada da doença após contrair o novo coronavírus. O caso foi publicado no periódico médico British Journal of Hematology.

O linfoma de Hodgkin é um tipo de câncer do sistema linfático, onde estão as células responsáveis pela imunidade. A doença origina-se com maior frequência na região do pescoço e tórax, e é mais comum entre homens, segundo informa o Instituto Nacional de Câncer (Inca).

Segundo os autores da publicação médica, o paciente foi admitido pelo departamento de hematologia do Royal Cornwall Hospital com inflamação nos gânglios e perda de peso. O idoso fazia hemodiálise para insuficiência renal em estágio terminal, após um transplante de rim malsucedido.

Logo após o diagnóstico, o homem foi internado com falta de ar, chiado no peito e com pneumonia. A contaminação pela Covid-19 foi confirmada após exame de PCR.

De acordo com os cientistas, o idoso ficou em tratamento por 11 dias e foi liberado para finalizar a recuperação da Covid-19 em casa. Também não foram administrados corticosteroides ou imunoquimioterapia, medicamos usados no tratamento do linfoma.

Quatro meses depois, os médicos afirmaram que o inchaço dos nódulos havia diminuído. Um exame de tomografia revelou a remissão generalizada do linfoma.

A hipótese levantada pelos autores do artigo é de que a infecção pelo novo coronavírus desencadeou uma resposta imune contra o tumor. As citocinas inflamatórias produzidas em resposta à infecção poderiam ter ativado células T específicas com antígenos tumorais e células que naturalmente agem contra o tumor.

Ainda segundo o artigo, casos de remissão espontânea já haviam sido descritos, porém com outras infecções de pneumonia infecciosa e no contexto do linfoma não Hodgkin de alto grau.

Fonte: CNN Brasil

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive