Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Após câncer, tive fibrose na vagina e não consigo transar. Tem solução?

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 28/09/2021 - Data de atualização: 28/09/2021


Após câncer de colo de útero, desenvolvi uma fibrose na vagina e não consigo fazer sexo. Tem solução?

Tem, sim. Há procedimentos que podem melhorar essa condição, como fisioterapia ginecológica, dilatadores e cremes vaginais, principalmente aqueles contendo estrogênios. Em casos mais extremos, pode ser indicada a cirurgia para reconstruir a vagina.

O ato de promover a dilatação da área estreitada leva a uma melhora da elasticidade do tecido. Já o estrogênio tópico melhora a distensão do tecido e a lubrificação da região vaginal. Algumas técnicas mais recentes que utilizam laser e radiofrequência também têm mostrado cada vez mais resultados promissores.

O ideal, neste momento, é você entrar em contato com seu ginecologista para que o profissional possa fazer uma melhor avaliação da fibrose, e assim, indicar o tratamento mais adequado.

Também chamada de estenose, este estreitamento do canal vaginal é bastante comum em mulheres que passam pela radioterapia como tratamento para o câncer de colo de útero, principalmente se elas não realizarem a fisioterapia vaginal pós-terapia. O que acontece é que, conforme o tumor regride, por ação da radioterapia, forma-se a fibrose, que é uma cicatriz, um tecido enrijecido, estreito, de elasticidade diferente do habitual e que não produz secreção lubrificante.

A estenose mantém a vagina encurtada em sua circunferência e profundidade, o que impede a penetração peniana. Também há dificuldade de ocorrer a relação sexual devido ao ressecamento do canal vaginal.

Vale saber que a radioterapia é indicada quando o câncer já está em estágio avançado. Por este e outros motivos que toda mulher precisa estar em dia com os exames ginecológicos. Desta forma, é possível chegar a diagnósticos mais precoces e tratamentos mais efetivos com menores taxas de complicações.

Fontes: Daniel Fernandes, médico cirurgião oncológico e diretor do HCII (Hospital do Câncer II) do Inca (Instituto Nacional de Câncer), no Rio de Janeiro; Glauco Baiocchi Neto, diretor do Departamento de Ginecologia Oncológica do Hospital AC Camargo Cancer Center, em São Paulo; Igor Lemos, oncologista do HULW -UFPB (Hospital Universitário Lauro Wanderley da Universidade Federal da Paraíba), que faz parte da Rede Ebserh (Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares); Selso José Rodrigues Melo, cirurgião oncológico do Hospital Promater RN (Rio Grande do Norte).

Fonte: Uol 



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive