Tipos de Câncer

Leucemia Linfoide Crônica (LLC)

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Anticorpos Monoclonais para Leucemia Linfoide Crônica (LLC)

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 27/07/2015 - Data de atualização: 20/08/2018


Os anticorpos monoclonais são versões sintéticas de proteínas (anticorpos), normalmente produzidas pelo sistema imunológico, projetadas para se ligar a um alvo específico (neste caso, proteínas da superfície das células cancerosas). Estes medicamentos ajudam o sistema imunológico a reagir e a destruir as células cancerosas.

A quimioterapia administrada junto com um anticorpo monoclonal é o tratamento padrão para a leucemia linfoide crônica. Esse tipo de tratamento é denominado quimioimunoterapia.

Os anticorpos monoclonais utilizados no tratamento da leucemia linfoide crônica são divididos em grupos baseados nas proteínas alvo.

Alvo CD20

Alguns anticorpos monoclonais utilizados no tratamento da leucemia linfoide crônica têm como alvo o antígeno CD20, uma proteína encontrada na superfície dos linfócitos B, incluindo:

  • Rituximab.
  • Obinutuzumab.
  • Ofatumumab.

O rituximab se tornou um dos principais tratamentos para a leucemia linfoide crônica. É mais frequentemente utilizado junto com a quimioterapia, como parte do tratamento inicial ou de um regime de segunda linha de tratamento, mas também pode ser utilizado isoladamente.

O obinutuzumab pode ser utilizado junto com o quimioterápico clorambucil como parte do tratamento inicial da leucemia linfoide crônica. Também pode ser usado isoladamente para casos de recidiva ou quando a doença não responde a outros tratamentos.

O ofatumumab é utilizado principalmente se a leucemia linfoide crônica não está respondendo a outros tratamentos, como quimioterapia ou outros anticorpos monoclonais, como o alemtuzumab.

Esses medicamentos são administrados por via intravenosa. Todos eles podem provocar efeitos colaterais durante ou após a infusão, como calafrios, coceira, febre, náuseas, erupções cutâneas, fadiga e dores de cabeça. Outros efeitos mais severos, como dor no peito, taquicardia, inchaço da face e da língua, tosse, dificuldade respiratória, tonturas e sensação de desmaio, também, podem ocorrer durante a infusão. Como esses tipos de reações são comuns antes da infusão são administrados medicamentos para evitá-los.

Existe também uma forma de rituximabe que é administrada sob a pele, embora a primeira dose deva ser administrada via intravenosa. Os possíveis efeitos colaterais incluem reações locais na pele, como vermelhidão na região onde o medicamento é injetado, infecções, diminuição dos glóbulos brancos, náusea, fadiga e constipação.

Todos esses medicamentos podem ativar infecções de hepatite B assintomática, o que pode levar a problemas graves de fígado. Por esse motivo, seu médico pode solicitar exames de sangue para diagnosticar sinais de uma possível infecção de hepatite antes de iniciar o medicamento. Se o resultados dos exames mostrarem sinais de uma infecção antiga por hepatite B, serão solicitados mais exames de sangue durante o tratamento para verificar se o vírus se torna ativo. Se isso acontecer, o medicamento deverá ser interrompido.

Esses medicamentos, também, podem aumentar o risco de determinadas infecções alguns meses após o medicamento ser interrompido. Por exemplo, o rituximab tem sido associado a uma doença cerebral rara conhecida como leucoencefalopatia multifocal progressiva, que é provocada por um vírus. Isso pode causar dor de cabeça, aumento da pressão arterial, convulsões, confusão, perda de visão e até mesmo a morte.

Em casos raros de pacientes com taxas elevadas dos glóbulos brancos, alguns medicamentos podem provocar uma condição denominada síndrome de lise tumoral. Isso acontece quando o medicamento destrói as células cancerosas tão rapidamente que o corpo não tem tempo hábil para liberar os produtos de degradação das células mortas. Isso geralmente ocorre apenas durante o primeiro ciclo de tratamento. Quando as células leucêmicas são destruídas, liberam seu conteúdo na corrente sanguínea, podendo sobrecarregar os rins, o que pode levar ao acúmulo de quantidades excessivas de certos minerais no sangue e até mesmo a insuficiência renal. O excesso de minerais pode provocar problemas cardíacos e no sistema nervoso. Para impedir que isso ocorra, o médico administra grandes quantidades de líquidos e medicamentos, como bicarbonato de sódio, alopurinol, febuxostate e rasburicase.

Outros efeitos colaterais podem ocorrer dependendo do medicamento administrado. Converse com seu médico sobre o que você pode esperar.

Alvo CD52

O alemtuzumab é um anticorpo monoclonal que tem como alvo o antígeno CD52, encontrado na superfície das células da leucemia linfoide crônica e de diversos linfócitos T. É utilizado principalmente se a leucemia linfoide crônica não está respondendo aos tratamentos padrões, mas pode ser utilizado em estágios iniciais da doença. Pode ser especialmente útil nos casos de leucemia linfoide crônica com deleção no cromossomo 17, que são, muitas vezes, resistentes ao tratamento padrão. Neste caso, pode ser o primeiro tratamento usado, administrado junto com o rituximabe. O alemtuzumab parece não responder em pacientes com linfonodos aumentados (mais do que 5 cm).

O alemtuzumab é administrado por via intravenosa, várias vezes por semana. Os efeitos colaterais mais comuns são febre, calafrios, náuseas e erupções cutâneas durante a injeção. Ele também pode provocar diminuição dos glóbulos brancos, o que aumenta o risco de infecções bacterianas e virais. Medicamentos antibióticos e antivirais são administrados para proteger contra algumas destas infecções, mas infecções graves e até mesmo fatais ainda podem ocorrer. Ele também pode provocar diminuição dos glóbulos vermelhos e plaquetas.

Para saber mais sobre anticorpos monoclonais, consulte nosso conteúdo sobre Imunoterapia.

Fonte: American Cancer Society (10/05/2018)



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive