Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Astellas UICC Libbs GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

ANS discute obrigar plano a pagar medicamentos orais contra câncer

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 15/05/2013 - Data de atualização: 15/05/2013


A ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) estuda incluir o tratamento oral contra o câncer no rol de procedimentos mínimos a serem cobertos pelas operadoras.

Atualmente vale o entendimento de que não cabe aos planos pagar pelo tratamento domiciliar e, consequentemente, pelas drogas orais utilizadas fora do hospital.

Em busca de medicamentos orais e mais modernos --que podem beneficiar pelo menos 30% de quem se trata contra um câncer--, clientes das operadoras recorrem ao SUS, quando a medicação está disponível, ou à Justiça.

A possibilidade da inclusão dos medicamentos orais (como terapias hormonais, terapias-alvo, além da quimioterapia) e a forma como fazê-la são discutidas pelo grupo técnico criado pela ANS para rever o rol de procedimentos mínimos --o que ocorre a cada dois anos.

Martha Oliveira, gerente geral de regulação assistencial da agência, ressalva que o martelo não está batido.

A proposta deve ser fechada até maio pelo grupo e passar pela diretoria da ANS antes de ir à consulta pública.

A agência, porém, nunca esteve tão perto de decidir neste sentido. O primeiro parecer jurídico interno indicando a possível inclusão das drogas orais saiu em 2012.

"Na revisão anterior, tínhamos menos argumentos jurídicos. Algumas mudanças foram importantes para recolocar o tema na pauta" diz.

Uma é a migração de tratamentos antigos e convencionais para novos em que a administração é oral, o que deixou clientes sem cobertura. Outro fator, segundo especialistas, é a pressão de um projeto em fase adiantada de tramitação no Congresso que determina que os planos cubram o tratamento oral.

"O projeto influenciou 100% a ANS, que deveria ter tomado essa iniciativa há muito tempo", avalia a senadora Ana Amélia (PP-RS), autora do projeto. Ela conta ter ouvido da direção da ANS sobre a intenção de incluir o remédio oral na cobertura.

"E no momento em que o governo sinaliza com benefícios fiscais para os planos. Não tem almoço de graça: tem que ter contrapartida."

Mesmo com a inclusão no rol, é importante que o projeto siga, para dar sustentabilidade à medida e evitar contestações judiciais, diz Tiago Matos, diretor jurídico do Instituto Oncoguia, entidade que participa do grupo técnico da revisão da lista e é o idealizador do projeto de lei.

AMPLITUDE

A forma de inclusão dessas drogas, porém, preocupa entidades que atuam na área.

Uma possibilidade seria a oferta nos planos de drogas chanceladas pela Conitec (comissão do governo que avalia as tecnologias ofertadas no SUS). A rede pública, hoje, tem apenas parte das drogas orais disponíveis.

"Estão tentando criar regras de racionalização do medicamento oral. Não pode ser diferente do quimioterápico endovenoso [em que basta chancela da Anvisa e a indicação do médico]", argumenta Rafael Kaliks, diretor médico do Instituto Oncoguia.

Essa opção seria um grande limitador do acesso, concorda Anderson Silvestrini, presidente da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica.

A Federação Nacional de Saúde Suplementar, cujas empresas abarcam 24,4 milhões de clientes, diz que é "precipitado" falar na inclusão. E lembra que a lei atual exclui a obrigação de cobertura do remédio domiciliar.

Reportagem publicada no Jornal Folha de S.Paulo em 16/04/2013


Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2022 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive