Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Algum alimento pode atrapalhar o tratamento do câncer?

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 25/06/2019 - Data de atualização: 25/06/2019


Uma substância da carne poderia atrapalhar o tratamento do câncer de mama. (Foto: Alex Silva/A2 Estúdio)

Uma pesquisa divulgada faz pouco pela Universidade Harvard, nos Estados Unidos, insinua que a leucina, um aminoácido amplamente encontrado na dieta, pode atrapalhar o tratamento do tipo mais comum de câncer de mama. Essa substância atua na saúde dos músculos e na manutenção das demais células do corpo – e está em carnes, leites e proteínas vegetais, como as leguminosas.

Os cientistas fizeram testes em células isoladas no laboratório, e descobriram que aumentar os níveis de leucina em conjunto com um tipo de tratamento também intensificava o crescimento do câncer de mama. Por outro lado, restringir o nutriente suprimia a atividade maligna.

Esse comportamento foi observado no tumor de mama com receptor de estrogênio. Esse subtipo responde por quase 70% dos casos da enfermidade.

A expectativa é que o achado seja usado para criar remédios que bloqueiem a ação da leucina nos tumores e, quem sabe, para desenhar intervenções na alimentação. O grupo testa agora essa segunda possibilidade, averiguando se cortar o composto da dieta de roedores com câncer de mama trará algum benefício.

Ponderações necessárias
“A relação entre leucina e resistência ao tratamento do câncer de mama com receptor de estrogênio não está bem estabelecida. Os estudos são preliminares, com experimentos realizados em cultura de células e camundongos”, avisa Patricia Jucá, oncologista e mastologista da unidade especializada nas mamas do Instituto Nacional do Câncer (Inca).

Ou seja, não dá para extrapolar o achado para seres humanos. “Fora que, quando pensamos na restrição de leucina, estamos falando em tirar proteínas da dieta, o que pode levar a perda de massa muscular, de força, e, assim, até a um prejuízo da resposta ao tratamento”, destaca Leticia Carniatto, nutricionista do A.C. Camargo Cancer Center, em São Paulo.

Ou seja, nem pense em fazer isso, principalmente por conta própria.

Por que a leucina afetaria o tratamento do tumor?
Ainda não se sabe com clareza, mas o que as pesquisas iniciais apontam é que grandes quantidades dessa molécula podem elevar a proliferação desordenada das células do câncer e dificultar o processo de morte delas, que ocorreria com o medicamento.

Basicamente, é como se elas ficassem menos sensíveis ao fármaco. Aliás, o remédio testado foi o tamoxifeno, que bloqueia a ação do estrogênio nas células do tipo de câncer de mama que é estimulado por esse hormônio.

Alimentação e câncer
Por enquanto, não existem recomendações individualizadas para o tratamento de cada caso da doença. “Não há evidências consolidadas de que um único alimento atrapalhe ou melhore o combate aos tumores. É mais importante avaliar o padrão alimentar do indivíduo”, comenta Rachel Souza Thompson Motta, nutricionista do Inca.

Quando a doença dá as caras, o principal objetivo é manter o peso e garantir uma ingestão equilibrada de nutrientes – é comum que a balança suba ou desça na presença de um tumor maligno. Limitar o consumo de fast-food e outros itens ricos em gordura e açúcar é a maior recomendação nesse sentido.

Essa restrição ajuda ainda a prevenir ou controlar doenças crônicas como diabetes e hipertensão, o que reduz complicações associadas ao tratamento e melhora a qualidade de vida.

A falta de apetite associada à terapia eventualmente causa um quadro de desnutrição. Por isso, também é preciso caprichar no consumo de frutas, verduras e legumes, que garantem o aporte de substâncias benéficas para a saúde.

No mais, outras recomendações dietéticas que visam a prevenção do câncer também valem para quem luta contra ele. São elas: limitar o consumo de carne vermelha a 500 gramas por semana e maneirar nos embutidos e no álcool.

Fonte: Saúde

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive