Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Danone Nutricia Sanofi Grunenthal Sirtex Servier Oncologia


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Afinal, o que é imunoterapia? Entenda sua atuação no combate ao câncer

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 17/01/2020 - Data de atualização: 17/01/2020


A imunoterapia é uma modalidade terapêutica que induz o combate das células cancerígenas pelo próprio sistema imunológico do organismo, agindo de forma distinta daquela promovida por qualquer outro tipo de tratamento oncológico.

Enquanto os mecanismos de ação contra o tumor oferecidos pela quimioterapia se baseiam em atacar as células tumorais diretamente, a imunoterapia auxilia o próprio sistema imunológico do paciente a identificar e combater o câncer. Ou seja, em vez de atuar diretamente contra o câncer, os remédios imunoterápicos auxiliam as defesas do corpo para que elas mesmas detectem e combatam a doença.

Entretanto, estimular o sistema imune é uma tarefa complexa e, embora as indicações de tratamentos imunoterápicos venham crescendo de forma significativa, o tratamento não consegue ser eficaz para todos. Por outro lado, nos casos em que o sistema imunológico adquire a capacidade de combater o câncer, o resultado pode ser muito expressivo e duradouro, devido ao fato de que o sistema passa a ter uma espécie de memória imunológica contra o tumor. 

Os principais tipos de imunoterapia usados hoje para combater o câncer são: anticorpos monoclonais, inibidores de pontos de verificação imunológica (ou inibidores de checkpoint), vacinas contra o câncer e agora uma modalidade mais complexa conhecida como terapia do receptor de antígeno quimérico de células T ("CAR T-Cells”).

A duração do tratamento da imunoterapia depende da eficácia do mesmo e da reação de cada paciente. Embora, na maioria das vezes, o tratamento imunoterápico seja melhor tolerado do que a quimioterapia, podem ocorrer fenômenos autoimunes, que demandam rápida identificação e abordagem pelo oncologista.

A imunoterapia representa, sim, uma revolução no tratamento contra o câncer, mas ainda há um longo caminho a seguir. Tendo em vista o custo elevado e o fato desse tratamento não ser eficaz para todos os pacientes oncológicos, pesquisas tentam definir quais seriam os melhores critérios para identificar aqueles mais propensos a terem boas respostas com essa modalidade de tratamento.

Carolina Martins Vieira
Oncologista do Hospital das Clínicas da UFMG e do Núcleo de Hematologia e Oncologia

Fonte: UAI

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2020 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive