Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Afinal, a mulher idosa pode deixar de fazer mamografia?

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 01/04/2020 - Data de atualização: 01/04/2020


Quando Janet Halloran passou em consulta pela última vez, a médica lhe perguntou se já tinha feito a mamografia anual. Ela disse que sim.

Aos 76 anos, a corretora de imóveis de Cambridge, em Massachusetts, já passou da idade recomendada pela maioria das diretrizes médicas de fazer o exame preventivo do câncer de mama para alguém sem histórico da doença. Mesmo para mulheres mais jovens, a orientação é fazê-lo ano sim, ano não.

Por isso, Halloran poderia até pensar em parar com as mamografias, ou pelo menos realizá-las com menos frequência, mas sua médica nunca levantou a possibilidade. "Ela diz que é uma daquelas coisas que a gente precisa fazer e não tem jeito. Além do mais, é fácil; uma vez por ano você vai lá, prende a respiração, rapidinho, pronto. É só rotina", diz.

Mas deveria ser assim para as mulheres mais velhas?

"Há muita incerteza. Essa é uma área com ausência total de triagens clínicas aleatórias", admite o dr. Xabier Garcia-Albéniz, oncologista e epidemiologista do RTI Health Solutions e principal autor de um novo estudo de observação que tenta responder a essa pergunta.

Como a pesquisa médica em geral, os estudos relacionados ao câncer de mama geralmente excluem os indivíduos mais velhos; a consequência disso é que os dados referentes à mamografia como meio de melhorar a sobrevivência de mulheres na faixa dos 70 aos 74 anos são muito limitados. Acima dos 75 anos, então, são inexistentes.

É por isso que a Força-Tarefa de Serviços Preventivos dos EUA concluiu que, embora a mamografia feita em anos alternados aumente as chances de sobrevivência das mulheres entre 50 e 74 anos, há evidências "insuficientes" para avaliar sua utilidade para as que têm mais de 75.

A Sociedade Norte-Americana de Geriatria inclui esse exame e outros de prevenção do câncer em sua lista "Escolha Sensata" de testes que devem ser questionados. E pede aos médicos que não os recomendem sem levar em consideração a expectativa de vida e os riscos de sua realização em relação ao diagnóstico e ao tratamento "excessivo".

Apesar disso, mais da metade das mulheres com mais de 75 anos fez a mamografia (exame para aquelas que não têm histórico nem sintomas de câncer de mama) nos últimos dois anos, como registrou o Centro de Controle e Prevenção de Doenças em 2018.

"Se esse investimento todo altera os níveis de sobrevivência ao câncer é a questão crucial", diz o dr. John Hsu, pesquisador de serviços de saúde da Faculdade de Medicina de Harvard e principal autor do novo estudo, publicado na "Annals of Internal Medicine".

A equipe usou requisições feitas no Medicare de 2000 a 2008 para acompanhar um milhão de mulheres com idades entre 70 e 84 anos que tinham feito a mamografia. Elas nunca tinham tido câncer e mostravam uma "probabilidade alta" de viver pelo menos mais dez anos.

"Essa é a população que se beneficia com o exame, pois leva dez anos para o exame mostrar um nível reduzido de mortalidade", explica Garcia-Albéniz.

Os pesquisadores dividiram as participantes em dois grupos – um que parou com o exame e outro que continuou fazendo a mamografia a pelo menos cada 1,3 ano – e concluíram que o teste ofereceu um benefício de sobrevivência, ainda que modesto, às mulheres entre 70 e 74 anos. Alinhada com o estudo anterior, a análise concluiu que examinar mil mulheres dessa faixa etária poderia resultar, depois de uma década, em uma morte a menos por câncer de mama.

Já entre as de 75 a 84 anos, a mamografia anual não reduziu o número de óbitos, embora tenha detectado, como era de esperar, mais casos de câncer do que no grupo que parou com o exame. "O número de diagnósticos aumenta, mas isso não se traduz em benefícios em relação à mortalidade", diz Garcia-Albéniz.

Por que não? "Os cânceres podem diferir em idades diferentes. Podem evoluir mais rápido ou lentamente, ou ter mais probabilidade de se espalhar", explica Hsu.

Segundo o dr. Otis Brawley, oncologista e epidemiologista da Faculdade de Medicina da Universidade Johns Hopkins, autor do editorial que acompanha o estudo, o tratamento pode ser menos eficiente nas idades mais avançadas.

Entretanto, as pessoas mais velhas também estão sujeitas ao que os estudiosos chamam de "mortalidade concomitante": muitos dos cânceres detectados pela mamografia, tumores minúsculos que a tecnologia antiga não detectaria, têm poucas chances de causar prejuízos se não forem tratados. Porém a maioria das idosas tem outras doenças que progridem.

"É muito difícil dizer a alguém com 70 ou 80 anos que é preciso modificar o tratamento, ou nem iniciá-lo, porque as chances de que outra coisa mate a paciente antes do câncer são maiores", revela Brawley.

Essa relutância em discutir a expectativa de vida e as limitações do exame também significa que muitas mulheres não reconhecem que, além de ser inconveniente, cara e fonte de desconforto e ansiedade, a mamografia pode, de fato, causar prejuízos. Dependendo do caso e do resultado, leva a cirurgias desnecessárias, doses de radiação e medicação para cânceres que nunca teriam gerado sintomas ou encurtado a vida da paciente.

A dra. Mara Schonberg, internista do Beth Israel Deaconess Hospital de Boston, há anos se dedica a ajudar as mulheres a tomar decisões em relação à mamografia, e acha a missão difícil.

"Durante 40 anos, essas mulheres ouviram que tinham de fazer o exame. Elas se sentem tranquilas com um resultado negativo, e é muito difícil compreender que detectar um câncer de mama no início nem sempre vai ajudar a paciente a viver mais ou melhor", revela Schonberg.

Para ajudar a explicar, Schonberg desenvolveu um material que ajuda na tomada de decisão: um folheto em linguagem bem simples, que usa resultados de pesquisas para explicar os prós e contras.

Um estudo piloto mostrou que, depois de lê-lo, as mulheres entre 75 e 89 anos se mostraram mais informadas sobre a mamografia, mais aptas a discuti-la com seus médicos e menos entusiasmadas em continuar fazendo o exame. Mas não desistiram: mais de 60 por cento, incluindo aquelas com menor expectativa de vida, repetiram a mamografia dentro de até 1,3 ano. "Uma análise maior, com 546 participantes, quase pronta para publicação, exibirá resultados semelhantes", informa Schonberg.

Talvez, como Brawley afirma, "o mais importante seja fazer o público entender quais são as dúvidas e que ninguém tem as respostas exatas".

Fonte: NSC Total

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive