top

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Boehringer Eisai Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Medtronic Takeda Susan Komen Astellas UICC


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Abordagem fisioterapêutica no câncer de pulmão

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 18/12/2015 - Data de atualização: 04/02/2016


Os sinais e sintomas do câncer pulmonar são causados pelo crescimento local do tumor, invasão ou obstrução das estruturas adjacentes,  disseminação linfática e hematogênica e efeitos remotos dos produtos tumorais.

O tratamento do câncer de pulmão é realizado através de cirurgia, quimioterapia ou radioterapia.

As cirurgias para o tratamento de câncer de pulmão são:

  • Segmentectomia ou ressecção em cunha: é retirado uma parte pequena do pulmão.

  • Lobectomia:quando retira-se um lobo inteiro do pulmão.

  • Pneumonectomia ou Pneumectomia: é a retirada de um pulmão inteiro.

Em qualquer um desses tipos de cirurgia, a linfonodectomia mediastinal é realizada para evitar a disseminação da doença.

Uma rigorosa avaliação pré-operatória, principalmente da função cardiopulmonar é de fundamental importância para identificar e modificar características determinantes de maior risco e conseqüentemente diminuir a taxa de complicações no pós-operatório.

Muitos pacientes candidatos à cirurgia para retirada do tumor de pulmão são pneumopatas prévios devido a DPOC (doença pulmonar obstrutiva crônica).

Para esses casos existe a fisioterapia pré-operatória. Estudos demonstram que exercícios respiratórios associados ao treino aeróbico por 30 minutos, com 50% da frequência cardíaca máxima, realizados diariamente, cinco dias por semana durante quatro semanas, em pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica, candidatos à ressecção de pulmão, melhoram a capacidade ao exercício.

As complicações durante e após a cirurgia dependerão da extensão da cirurgia, do estado de saúde geral do paciente e de comorbidades associadas.

A presença da dor em incisões abdominais e torácicas, depressão do centro respiratório por uso de anestesias e analgésicos; e paralisia temporária dos músculos respiratórios durante a cirurgia torácica e a retirada de segmentos pulmonares causam grandes alterações nos volumes e capacidades respiratórias. Essas alterações são fatores que predispoem à algumas complicações respiratórias. As principais complicações pós-operatórias são a exacerbação do DPOC, broncoespasmo (chiadeira), pneumonia,  atelectasia (fechamento do pulmão) que podem levar à insuficiência respiratória com necessidade de ventilação mecânica artificial.

Outras complicações incluem derrame pleural, fístula aérea, embolia pulmonar, ou até mesmo Síndrome da Angústia Respiratória do Adulto (SDRA) que é caracterizada por uma lesão alveolar difusa e irregular que acarreta uma insuficiência respiratória grave. As complicações cardíacas podem incluir arritmia cardíaca ou infarto agudo do miocárdio.

A falta de ar  é o principal sintoma. A queda da saturação para menos de 85% em ar ambiente, durante o repouso, leva a indicação da oxigenoterapia.

O posicionamento no leito visa à diminuição das queixas de dor e estimula a mobilização do paciente. A posição sentada tende a aumentar os volumes pulmonares e diminuir o trabalho respiratório. A posição de barriga para baixo aumenta a capacidade residual funcional e a relação ventilação/perfusão, enquanto que as posições laterais aumentam a ventilação pulmonar e a mobilização das secreções das vias aéreas pela ajuda da gravidade.

Já é comprovado cientificamente o efeito terapêutico da fisioterapia respiratória, principalmente no efeito reexpansivo do pulmão e de higiene brônquica.  Entre as condutas de tratamento, é empregado a cinesioterapia respiratória clássica, que visa a melhora da ventilação e expansão pulmonar e alívio da dispnéia, e é constituída de manobras respiratórias reexpansivas, desobstrutivas e de higiene brônquica.

Exercícios respiratórios, aeróbicos e de fortalecimento muscular são os pilares para a reabilitação pulmonar. A recomendação é a prática regular de pelos menos 150 minutos por semana, distribuídos ao longo de cinco dias. A prescrição dos exercícios deve ser individualizada e adaptada às capacidades de cada paciente com câncer de pulmão.

Deixo aqui meus votos de um bom fim de ano e que em 2016 nossas forças se reforcem na empreitada contra o câncer!

Até a próxima!
Jaqueline Munaretto Timm Baiocchi



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2017 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive