Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Boehringer Bayer Janssen MSD Takeda Astellas UICC Libbs Abbvie Ipsen Sanofi Daiichi Sankyo GSK Avon Nestlé Servier Viatris


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Abertas consultas públicas sobre tratamentos para Mieloma Múltiplo

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 04/01/2022 - Data de atualização: 04/01/2022


A Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias em Saúde (Conitec) abriu quatro Consultas Públicas (CP's) para ouvir a sociedade a respeito do tratamento para Mieloma Múltiplo. O protocolo clínico da doença, criado em 2015, está passando por uma atualização para incluir novos tratamentos e por isso a comissão quer ouvir a sociedade quanto a novas opções terapêuticas. 

A CP 113/21 é a respeito da incorporação do medicamento Daratumumabe para o controle do mieloma múltiplo recidivado ou refratário. No entendimento da Conitec, o medicamento é mais eficaz e demonstrou maior benefício clínico do que as demais alternativas disponíveis no SUS. Apesar disso,a  recomendação inicial é de não incorporação por causa da estimativa elevada de custo para o sistema de saúde. 

Já a CP 115/21 propõe o medicamento Lenalidomida para pacientes com mieloma múltiplo inelegíveis ao transplante de células-tronco hematopoiéticas e a CP 120/21 a Lenalidomida para terapia de manutenção em pacientes com mieloma múltiplo submetidos ao transplante de células-tronco hematopoiéticas. A Comissão deu parecer inicial contrário à incorporação do medicamento para ambos os casos. Considerando que o medicamento terá um alto custo adicional ao SUS e se comparado à talidomida, já disponível no SUS, o lenalidomida não tem um bom custo-benefício na visão da Conitec.

Por fim, CP 116/21 propõe a ampliação de uso do teste citogenético por Hibridização in Situ por Fluorescência (FISH) para detecção de alterações citogenéticas de alto risco em pacientes com mieloma múltiplo. A Conitec deu parecer inicial favorável à incorporação da ampliação do FISH. A Comissão diz no relatório que “Os estudos mostraram que o FISH é melhor que a citogenética convencional para detectar as duas alterações de maior prevalência.”

Agora, é o momento de ouvir a sociedade quanto a esse entendimento inicial, momento no qual pacientes, familiares, cuidadores e profissionais da saúde podem e devem contribuir com insumos para melhorar a avaliação da Conitec em relação ao tratamento da doença. 

As consultas públicas ficarão abertas até o dia 17 de janeiro. Após receber as contribuições, elas serão analisadas e a Conitec fará sua recomendação final.

Não deixe de participar! Sua contribuição é muito importante para subsidiar as decisões do governo.

Conteúdo produzido pela equipe do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2022 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive