Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

A verba para o combate ao câncer de mama não pode esperar

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 16/08/2021 - Data de atualização: 16/08/2021


A pandemia de Covid-19 resultou em um rastro de incerteza e de medo. Os cuidados com um vírus ainda desconhecido deixaram em segundo plano outras doenças tão importantes que também podem matar.

Neste ano, a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou que o câncer de mama se tornou a forma mais comum dos tumores malignos. Com a pandemia, o mundo inteiro registrou queda nos diagnósticos e muitos tratamentos ficaram represados. A estimativa da OMS é de um aumento de até 30% nas já tão altas estatísticas de mortalidade pela doença.

Na rede privada e de saúde suplementar, observamos de forma drástica esse impacto. O Núcleo Mama do Hospital Moinhos de Vento, em Porto Alegre, considerado um dos seis de excelência nacional pelo Ministério da Saúde, registrou queda de 90% na procura por exames de diagnóstico e consultas nos primeiros meses da pandemia.

Em 2020, a média de pacientes que iniciaram o tratamento com radioterapia foi 35% menor — são cerca de 600 mulheres que podem não ter iniciado o tratamento em tempo hábil para a cura num único hospital.

A retomada é lenta. De janeiro a maio deste ano foram realizadas 4 435 consultas com mastologistas, 41% a menos que a média do mesmo período na pré-pandemia.

Mulheres em casa, sem diagnóstico, com medo de ir até os centros de saúde se somam a dois agravantes no SUS: as filas para a realização de exames e de consultas e o esgotamento do sistema para o tratamento de pacientes com Covid-19.

Para tentar reverter esse quadro, o Ministério da Saúde instituiu a Portaria 3.712, em dezembro de 2020, que destina incentivo financeiro ao fortalecimento e à continuidade das ações de diagnóstico e tratamento do câncer de mama e de colo do útero. A medida permite ampliar a cobertura da população-alvo em 30%, a partir das recomendações estabelecidas pelo governo federal, como ação estratégica no enfrentamento da doença diante dos impactos da pandemia na rede pública.

Além disso, é uma possibilidade de aproximar os serviços, que podem ser descentralizados nas regiões, e reduzir distâncias para que as mulheres tenham acesso facilitado e mais rápido ao atendimento.

São 150 milhões de reais disponíveis em todo o Brasil. Cada estado já recebeu um total que varia de 7,5 milhões a 75 milhões de reais, dependendo da meta de desempenho apurada em 2019. Mas vale lembrar que esse é um recurso financeiro em caráter excepcional. Os valores que não forem gastos retornarão aos cofres do Tesouro Nacional.

Por isso a pressa. São 12 meses para o cumprimento dessas ações e o prazo está correndo desde maio. O desafio é fazer com que os municípios consigam utilizar esse dinheiro para exames de rotina de mamografia e rastreamento do câncer do colo do útero.

Para que essa verba permanecesse nos fundos dos estados, foi preciso apresentar um Plano de Ação, simples e objetivo, e pactuado entre as secretarias de Saúde e as Comissões Intergestores Bipartite (CIB). No entanto, as secretarias municipais não estão com propostas claras de implementação da estratégia para rastrear e fazer o diagnóstico de mulheres com sintomas.

Será um desperdício de recursos e de oportunidade de alcançar os números de exames realizados em 2019 — que já não eram bons na grande maioria dos estados —, o que serviria para aumentar o diagnóstico de tumores iniciais a tempo de evitar a morte de milhares de mulheres.

A Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama (Femama) está acompanhando de perto o tema. Mas é preciso vontade política, e senso de urgência, para que esse incentivo garanta a saúde de tantas brasileiras.

É urgente que esse chamamento seja feito às mulheres e aos gestores de secretarias de saúde municipais. Não podemos perder a chance. Afinal, nem sempre temos recursos para investir na prevenção de doenças. Estamos diante de uma medida que pode salvar milhares de vidas e se tornar um marco na história do combate ao câncer de mama e de colo de útero no país.

* Maira Caleffi é chefe do Serviço de Mastologia do Hospital Moinhos de Vento, em Porto Alegre, e presidente da Femama

Fonte: Veja Saúde 



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive