Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Danone Nutricia Sanofi Grunenthal Sirtex Servier Oncologia


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

A importância de uma equipe multidisciplinar no câncer de cabeça e pescoço

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 13/07/2020 - Data de atualização: 13/07/2020


Nesta semana, daremos continuidade à conscientização relacionada ao câncer de cabeça e pescoço - Julho Verde -, com esclarecimento de mais dúvidas, em parceria com o Dr Gustavo Meyer. 

1- Este câncer tem cura? 

O câncer de cabeça e pescoço, em linhas gerais, apresenta taxas de cura muito maiores do que tumores de outras regiões do corpo. Entretanto, infelizmente o diagnóstico é feito tardiamente em muitos casos, sobretudo entre os pacientes com baixo nível sócio-econômico, o que faz com que, nesses casos, o número de pacientes curados seja inferior à metade dos que se curam quando a doença é diagnosticada precocemente.

2- Como é composta uma equipe multidisciplinar para tratar o câncer de cabeça e pescoço? 

Nenhum médico trata sozinho o câncer de cabeça e pescoço. Os pacientes com doença avançada frequentemente necessitam de procedimento cirúrgico de grande porte e de alta complexidade. Além disso, radioterapia e, em muitos casos, quimioterapia. Por isso, a equipe médica deve ser composta por, no mínimo, médico especialista em Cirurgia de Cabeça e Pescoço, médico Oncologista Clínico e médico Radio Oncologista. Além dessas especialidades médicas, profissionais da saúde de outras áreas fazem parte do time que trata os nossos pacientes: Odontologia, Fonoaudiologia, Fisioterapia, Enfermagem, Nutrição, Psicologia. São necessários cuidados odontológicos, sobretudo nos pacientes que receberão radioterapia na região da boca.

A fonoterapia é fundamental na abordagem pré e pós-operatória, visando reabilitação de voz, de fonoarticulação e de deglutição. Os pacientes hospitalizados necessitam de acompanhamento fisioterápico e de enfermagem e, em todos os passos do tratamento é imprescindível o suporte nutricional e psicológico. No âmbito do SUS, os maiores serviços médicos/oncológicos do estado já estão estruturados de modo a oferecer os cuidados da equipe multidisciplinar aos pacientes. Todavia, sobretudo nas menores cidades do interior, não é raro o tratamento fragmentado em diferentes serviços, sem continuidade nos cuidados, o que impacta diretamente no sucesso da terapia.

3- Nos últimos anos, quais são as inovações relacionadas ao tratamento cirúrgico? 

O tratamento cirúrgico do câncer de cabeça e pescoço mudou pouco nos últimos 30 anos. Foram incorporadas à rotina da especialidade novas técnicas de reconstrução cirúrgica que proporcionam melhor qualidade de vida aos pacientes que sofrem procedimentos de grande porte. Novas evidências na literatura médica demonstraram que a extensão do procedimento cirúrgico pode, em alguns casos, ser menor do que era o padrão há algumas décadas, com os mesmos resultados oncológicos. Além disso, mais recentemente, a introdução da cirurgia robótica tem dado a oportunidade de operar alguns pacientes, com tumores de orofaringe, oferecendo-se uma modalidade cirúrgica com menor morbidade, ou seja, com resultados similares mas causando-se menor dano aos tecidos sadios.

4- Comparado com outros tipos de câncer, como tem sido os avanços no tratamento medicamentoso desta doença? 

O tratamento medicamentoso do câncer de cabeça e pescoço sofreu menos modificações do que o observado em outros tipos de câncer. Algumas novidades que apareceram há alguns anos, como muito promissoras, acabaram se demonstrando não superiores a tratamentos já consagrados e de custo inferior. Especificamente para os pacientes que apresentam doença metastática em outros órgãos, sem benefício de intervenção cirúrgica, o tratamento com imunoterapia tem trazido alguns bons resultados de aumento na sobrevida e na qualidade de vida, embora seu o custo seja ainda elevado.

Fonte: Uai

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2020 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive