Especial

Qualidade de vida


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Danone Nutricia Sanofi Grunenthal Sirtex Servier Oncologia


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

A desnutrição e o câncer: como evitar a perda de peso indesejada?

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 10/09/2020 - Data de atualização: 10/09/2020


A desnutrição é a deficiência de calorias e de nutrientes essenciais no organismo, acarretando como consequência perda de peso, queda de cabelo e pele seca, além de outros problemas fisiológicos decorrentes da falta de nutrição.

Cerca de 80% dos pacientes com câncer apresentam desnutrição já no momento do diagnóstico

Essa desnutrição ocorre devido a um desequilíbrio entre o que a pessoa come e suas necessidades nutricionais, comprometendo o seu estado nutricional. É mais frequente nos casos de câncer de cabeça e pescoço e do trato digestivo superior.  

Causas da desnutrição no câncer

  • Alterações no metabolismo por causa do tumor.
  • Efeitos locais da doença.
  • Efeitos dos tratamentos.
  • Fatores psicológicos e sociais.

Consequências na desnutrição no paciente com câncer

A desnutrição pode atrapalhar muito o sucesso do tratamento, causando:

  • Diminuição da resposta ao tratamento e da qualidade de vida do paciente.
  • Complicações pós-cirúrgicas.
  • Aumento do risco de infecções.
  • Fraqueza, perda de peso e fadiga.

Como evitar a desnutrição e a perda de peso?

O primeiro passo é ter o acompanhamento de um nutricionista que irá avaliar o estado nutricional do paciente considerando:

  • A triagem nutricional. Inclui avaliação antropométrica (porcentagem de perda de peso e índice de massa corporal- IMC), bioquímica, clínica (exame físico), avaliação de quantidade de massa muscular e dietética.
     
  • A avaliação nutricional. A avaliação nutricional do paciente com câncer é feita utilizando registro alimentar, história dietética e recordatório alimentar. Ela é fundamental para a realização da intervenção correta e precoce, evitando a evolução do quadro de desnutrição.
     
  • O tratamento. A partir do diagnóstico, o nutricionista irá traçar um plano alimentar considerando o quadro e sintomas do paciente que podem interferir na ingestão,  por exemplo: alterações no olfato e paladar, náuseas, vômitos, irritação dentária, mucosite ou aftas, constipação, diarreia, má absorção, infecções, dor aguda e crônica e sofrimento psíquico.

A dieta personalizada tem como objetivo melhorar a ingestão de alimentos, diminuir os desequilíbrios metabólicos, manter a massa muscular esquelética e o desempenho físico, reduzir o risco de reduções ou interrupções dos tratamentos contra o câncer, além de melhorar a qualidade de vida do paciente.

Composição da dieta para pacientes com desnutrição:

  • Quantidade de calorias - 30 a 35 kcal/kg/dia.
  • Quantidade de proteínas - 1,2 a 1,5g/kg/dia.
  • Oferecer vitaminas e minerais de acordo com as recomendações diárias.

Para estimular a alimentação oral convencional, devem ser utilizadas estratégias de modificações de texturas ou preparações dos alimentos, aumento da frequência das refeições, distribuição de alimentos em pequenas porções e enriquecimento dos pratos com suplementos de calorias e proteínas.

Os suplementos orais possuem misturas nutricionais completas para consumo oral, sendo recomendados para suplementar na ingestão alimentar. Se a ingestão de nutrientes continuar inadequada, a terapia nutricional enteral ou parenteral poderá ser indicada, dependendo do nível da função do sistema gastrointestinal.

Muitos estudos afirmam que alguns nutrientes como a arginina, o ômega-3 e os nucleotídeos, considerados imunomoduladores, auxiliam na resposta imunológica do paciente com câncer, podendo levar a resultados mais favoráveis, pois apresentam benefícios como: melhora do peso corporal, aumento da massa muscular e melhora da resistência contra novas infecções.

Para pacientes com câncer submetidos à cirurgia desnutridos ou em risco de desnutrição, candidatos à cirurgia de médio ou grande porte, recomenda-se a utilização de fórmulas hiperproteicas com esses imunonutrientes por via oral ou enteral na quantidade mínima de 500ml/dia no período perioperatório, iniciando de cinco a sete dias antes da cirurgia. Seus efeitos comprovam a diminuição de infecções e complicações pós-operatórias, além da diminuição da inflamação.

É importante saber que a desnutrição é muito comum no câncer, o que pode levar a graves consequências, mas que são reversíveis com o tratamento e o acompanhamento adequado.

Fontes:

  • Diretriz BRASPEN de terapia nutricional no paciente com câncer. BRASPEN J 2019; 34 (Supl 1): 2-32.
  • Ravasco P. Nutrition in Cancer Patients. J Clin Med. 2019;8(8): 1211.
  • Smiderle C. Desnutrição em oncologia: revisão de literatura. Rev Bras Nutr Clin 2012; 27 (4): 250-6.
  • Mahan, L. K.; Escott-Stump, S. krause: Alimentos, Nutrição e Dietoterapia. 11. ed. São Paulo, SP: Roca, 2005.


Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2020 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive