top

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Boehringer Eisai Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Medtronic Takeda Susan Komen Astellas UICC


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

[5º FÓRUM] Os vazios da radioterapia

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 30/10/2015 - Data de atualização: 30/10/2015


"Estou bastante entusiasmado com o que está acontecendo na oncologia, mas não dá para ser uma Pollyana na vida e acreditar que tudo é cor de rosa. Na radioterapia, é claro o déficit atual”, afirma o presidente da Sociedade Brasileira de Radioterapia (SBRT), Eduardo Weltman (foto).

Em 2012, o Brasil tinha 520 mil novos casos de câncer e o cálculo da SBRT previa a necessidade de 422 máquinas, considerando que 60% dos pacientes de câncer vão precisar de radioterapia durante o percurso de tratamento.

Outra conta para atestar o caótico panorama da radioterapia brasileira vem da própria OMS, que preconiza um aparelho para cada 600 mil habitantes. Fica fácil calcular que o Brasil precisaria de um número superior a 350 máquinas. "A verdade é que não temos nem 200 máquinas de radioterapia no SUS”, critica Weltman.

O Governo planeja aumentar o parque nacional e a cobertura, com o programa de 80 aparelhos de radioterapia, descrito como uma das mais audaciosas estratégias mundiais de saúde coletiva. "Claro que a compra e implantação de 80 máquinas é um projeto ambicioso, que nos orgulha, mas não se pode deixar de observar que o processo é extremamente lento. Só vamos ter quatro desses 80 aparelhos até o final do ano, em serviços que já estavam em operação. Não se fala em novos serviços públicos para a população que mais precisa e enquanto esse parque não se instala, por que não lançar mão de acordos com a rede privada?”, questiona o presidente da SBRT, que também vê falhas no atual modelo de remuneração. "Esse sistema de remuneração, a APAC, penaliza não só o paciente, como os prestadores de serviço e o próprio Ministério da Saúde. Os custos não consideram a atualização dentro de padrões realistas”, aponta.

Por Valéria Hartt/OncoNews



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2017 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive