top

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Boehringer Eisai Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Medtronic Takeda Susan Komen Astellas UICC


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

[5º FÓRUM] O público e privado na saúde

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 30/10/2015 - Data de atualização: 30/10/2015


Regular a incorporação de tecnologias sanitárias é sempre uma tarefa complexa, tanto no âmbito público, sob a responsabilidade da CONITEC, quanto no privado, a cargo da ANS. O que preocupa é como vão caminhar esses dois mundos. Luiz Augusto Maltoni Junior (foto), diretor de Oncologia da Amil, defende a convergência do debate entre o sistema de saúde público e privado. "A gente continua repetindo erros quando entende esses dois sistemas separadamente. Eles devem começar a ser olhados de forma complementar e precisamos trabalhar de alguma forma para que isso de fato possa acontecer. Chego a ficar chocado com a discussão de que a avaliação de tecnologia é diferente para quem é SUS e para quem tem acesso à saúde suplementar. Isso é um absurdo, não pode acontecer”, diz.

Maltoni reforça o papel de uma estrutura de avaliação de tecnologia que sirva para todos os pacientes que precisam da inovação, o que independe de onde esse paciente vai se tratar. "Isso é consequência. Ao longo dos anos, existe massa crítica cada vez maior tentando se organizar, mas a gente ainda está engatinhando. Precisamos dar passos largos para montar uma estrutura de avaliação de tecnologia para o país que atenda essa necessidade”, defende.

Denizar Viana diz que gostaria de um cenário onde não houvesse diferença entre o SUS e o sistema de saúde suplementar, mas lembra que a diferença existe e é profunda - da gestão ao financiamento. "O economista Roberto Campos fala sobre a socialização da pobreza. Temos que fazer o contrário, investir dinheiro nisso. Porque alguém tem que pagar a conta”, diz.

Mas como construir esse diálogo entre saúde suplementar e pública, em especial na esfera da oncologia? "Precisamos questionar e até redesenhar esse modelo de saúde”, defende Maltoni. "O modelo de remuneração, seja para cirurgia, seja para o próprio clínico, está falido e precisa ser revisto”.  Na gestão, também há muito trabalho pela frente para modernizar a saúde suplementar, hoje fragmentada em clínicas e realidades isoladas. "Temos que criar centros integrais de assistência ao paciente com câncer para que ele possa ter sua situação resolvida”, diz.  Para Denizar, mudar o modelo implica repensar o papel regulador do Estado. "Tem uma série de formas de lidar com isso, desde a desoneração fiscal até a possibilidade de contratar serviços da iniciativa privada”, propõe.

Por Sergio Azman/OncoNews



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2017 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive