top

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Boehringer Eisai Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

[5º FÓRUM] O público e privado na saúde

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 30/10/2015 - Data de atualização: 30/10/2015


Regular a incorporação de tecnologias sanitárias é sempre uma tarefa complexa, tanto no âmbito público, sob a responsabilidade da CONITEC, quanto no privado, a cargo da ANS. O que preocupa é como vão caminhar esses dois mundos. Luiz Augusto Maltoni Junior (foto), diretor de Oncologia da Amil, defende a convergência do debate entre o sistema de saúde público e privado. "A gente continua repetindo erros quando entende esses dois sistemas separadamente. Eles devem começar a ser olhados de forma complementar e precisamos trabalhar de alguma forma para que isso de fato possa acontecer. Chego a ficar chocado com a discussão de que a avaliação de tecnologia é diferente para quem é SUS e para quem tem acesso à saúde suplementar. Isso é um absurdo, não pode acontecer”, diz.

Maltoni reforça o papel de uma estrutura de avaliação de tecnologia que sirva para todos os pacientes que precisam da inovação, o que independe de onde esse paciente vai se tratar. "Isso é consequência. Ao longo dos anos, existe massa crítica cada vez maior tentando se organizar, mas a gente ainda está engatinhando. Precisamos dar passos largos para montar uma estrutura de avaliação de tecnologia para o país que atenda essa necessidade”, defende.

Denizar Viana diz que gostaria de um cenário onde não houvesse diferença entre o SUS e o sistema de saúde suplementar, mas lembra que a diferença existe e é profunda - da gestão ao financiamento. "O economista Roberto Campos fala sobre a socialização da pobreza. Temos que fazer o contrário, investir dinheiro nisso. Porque alguém tem que pagar a conta”, diz.

Mas como construir esse diálogo entre saúde suplementar e pública, em especial na esfera da oncologia? "Precisamos questionar e até redesenhar esse modelo de saúde”, defende Maltoni. "O modelo de remuneração, seja para cirurgia, seja para o próprio clínico, está falido e precisa ser revisto”.  Na gestão, também há muito trabalho pela frente para modernizar a saúde suplementar, hoje fragmentada em clínicas e realidades isoladas. "Temos que criar centros integrais de assistência ao paciente com câncer para que ele possa ter sua situação resolvida”, diz.  Para Denizar, mudar o modelo implica repensar o papel regulador do Estado. "Tem uma série de formas de lidar com isso, desde a desoneração fiscal até a possibilidade de contratar serviços da iniciativa privada”, propõe.

Por Sergio Azman/OncoNews



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2017 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive