top

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Boehringer Eisai Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

[5º FÓRUM] Judicialização: direito ou desvio?

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 30/10/2015 - Data de atualização: 30/10/2015


Não resta dúvida de que a chamada judicialização provocou um repensar sobre o acesso à inovação na saúde. Na oncologia, a chegada de modernos agentes terapêuticos – em especial sob o conceito de "terapias-alvo” – está no centro do problema, que hoje se assume como um dos mais controversos assuntos no campo da saúde. Na prática, o cidadão foi buscar na Justiça o acesso aos medicamentos que a via administrativa não foi capaz de garantir, tendo como argumento a promessa constitucional de integralidade e universalidade da assistência à saúde. A mesma premissa, no entanto, desafia o sentido de equidade em saúde ao trilhar o que parece ser um difícil caminho até as novas drogas para o tratamento do câncer.

Como efetivar o preceito constitucional e garantir o direito fundamental à saúde sem, no entanto, afrontar o princípio de equidade? É possível a judicialização responsável e que critérios as associações de pacientes podem adotar? Não cabem respostas simples, nem definitivas.

A judicialização foi tema recorrente no debate sobre a garantia dos direitos do paciente de câncer, durante o 5º Fórum Nacional de Políticas de Saúde em Oncologia realizado pelo Oncoguia, com o reconhecimento de que é fundamental encontrar caminhos de diálogo. "Em casos de reclamação, a porta de entrada do Oncoguia é a Ouvidoria. Procuramos evitar ao máximo encaminhar o paciente para uma defensoria pública, ou em ações coletivas, para o Ministério Público”, explica Tiago Farina Matos, diretor jurídico do Instituto Oncoguia.

A regra é sempre tentar todas as possibilidades de resolução por via administrativa para não estimular a cultura da judicialização, sobretudo individual, criticada por aprofundar as distorções na oferta de assistência à saúde.

No entanto, impossível deixar de reconhecer que questões estruturais estão na base do problema - da ineficiência da administração pública ao subfinanciamento à saúde, sem esquecer das barreiras para o acesso a inovações sanitárias.

No estado do Espírito Santo, a média é de 50 mandados judiciais por dia. "É um caos total. Hoje temos duas filas, a fila da regulação e a fila de mandado judicial. E à medida em que se desvia recursos para a judicialização, quem paga a maior conta é o próprio cidadão”, diz Vera Peruch, da ouvidoria do SUS no estado.

A realidade tem demonstrado o conflito. Normas individuais, por sentenças e acórdãos, colocaram em discussão o papel do Judiciário, com a crítica de que o ordenamento jurídico não pode ser solução para as lacunas nas políticas públicas de saúde. "Não há saída. A política de saúde só se efetivará pela via administrativa”, ensina Jairo Bisol, do Ministério Público.

Por Valéria Hartt/OncoNews



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2017 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive