top
Pacientes

Colunistas


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Boehringer Eisai Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Medtronic Takeda Susan Komen Astellas UICC


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

3 Perguntas sobre o Cabelo

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 14/02/2016 - Data de atualização: 15/02/2016


1. Quando o cabelo começa a cair?

O tempo pra iniciar o processo de queda do cabelo varia de pessoa pra pessoa, e de químio pra químio. Hoje já existem tratamentos que não fazem o cabelo cair, e torcemos muito para que isso se torne comum dentre os quimioterápicos nos próximos anos! Existem pessoas que simplesmente não perdem o cabelo, mesmo com uma químio que causa alopecia (vulgo: queda de cabelo). Tem ainda as pessoas que perdem o cabelo só de pensar em fazer químio (às vezes o estresse causa a queda antes mesmo da primeira aplicação), as pessoas que perdem todo o cabelo rapidinho (uns dias após a primeira químio), e ainda existem as pessoas que perdem parcialmente o cabelo. Em geral, a queda se acentua 14 dias após a primeira aplicação de quimioterapia. Pergunte ao seu oncologista qual o tempo médico que ele costuma ver em pacientes que usam o mesmo protocolo de quimioterapia que você. 


2. Como o cabelo cai?

Antes de o meu cabelo cair, eu fantasiava que ele cairia em blocos e eu ficaria careca num piscar de olhos! Não é bem assim. Em geral, o cabelo começa a dar sinais de que vai cair: o couro cabeludo fica sensível e dolorido. Dia após dia, mais e mais fios vão caindo, principalmente durante o banho. Você passa a mão uma vez, caem dois fios; você passa de novo, caem quatro e assim por diante... Existe sim um momento em que o cabelo cai aos tufos – mas não se preocupe: o cabelo avisa quando esse momento está chegando!

3. É melhor raspar antes de o cabelo começar a cair?

Antes mesmo de começar o tratamento, me disseram que o cabelo caía rapidinho depois da primeira aplicação, então eu fiquei num dilema se raspava a cabeça ou não.

Em 2011, quando comecei o tratamento cortei o cabelo pelo ombro- eu usava um cabelo super comprido, então para mim aquele comprimento chanel era bem curto. Com o primeiro protocolo, meu cabelo caiu bem devagar – devagar mesmo. Dos oito meses de tratamento, mantive meu cabelo por quase quatro meses! Quando ele ficou muito falhado e eu já não me sentia bem para sair com ele na rua, resolvi raspar a cabeça. Isso me fez muito bem na época, pois pude mudar minha imagem corporal aos poucos, e ir me acostumando com a ideia de ficar careca.

Em 2013, o protocolo de quimioterapia que fiz era super forte, então meu cabelo se atirou da cabeça quinze dias após a primeira aplicação. Dessa vez, decidi raspar tudo logo que o cabelo começou a cair. Para deixar o momento menos dramático, pedi para minha irmã ir cortando meu cabelo aos poucos, para experimentarmos vários cortes. Fizemos desde cortes assimétricos até a famigerada franja estilo Cascão, que Ronaldo Nazário usou na Copa de 98!  Meu pai fotografou todo o processo, e o resultado foi muito divertido para nós três!

Flavia Maoli

Uma noite, três momentos: comecei a noite cabeluda e terminei carecosa!
   
Quero ressaltar que é importante perguntar ao seu médico qual o comportamento das medicações que serão utilizadas (se o cabelo costuma cair logo, ou se demora, ou se nem cai muito).  E é importante também refletir o que vai fazer você se sentir melhor nessa fase. Se raspar logo e não ver a queda vai fazer as coisas mais fáceis, ótimo!!! Mas se quiser ver como o cabelo se comporta durante a químio, também apoio! Afinal, você não tem precisa ter pressa para ficar careca, e pode raspar o cabelo quando quiser! Só não vale ficar sofrendo, ok? Se o seu cabelo estiver caindo muito e você não aguentar mais os fios por todo lugar, não tenha dúvidas: raspe logo esse cabelo!

Beijos,
Flavia Maoli


Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2017 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive