Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

1 a cada 5 fumantes não sabe que vício dá câncer de pulmão, diz OMS

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 31/05/2019 - Data de atualização: 31/05/2019


3,3 milhões de pessoas morrem anualmente por conta de cigarro/Freepik

Um em cada cinco fumantes no mundo não sabe que o hábito pode causar câncer de pulmão, um fato determinante para que a Organização Mundial da Saúde (OMS) criasse o Dia Mundial Sem Tabaco em 1987, que será celebrado na sexta-feira (31), para lembrar dos riscos que fumar representa para a saúde humana.

Para este ano, a OMS escolheu como lema a frase "Não deixe que o tabaco tire sua respiração". Segundo o diretor do Departamento de Prevenção de Doenças Não Infecciosas da OMS, Vinayak Prasad, cerca de 3,3 milhões dos 8 milhões de mortos anualmente por conta do tabagismo são vítimas de problemas ligados ao sistema pulmonar.

"Além do desconhecimento dos riscos de câncer de pulmão, nos países em desenvolvimento 50% das pessoas não associam fumar aos infartos", advertiu Kerstin Schotte, especialista do mesmo setor.

"Quase 20% (da população adulta) do mundo fuma, e aqueles que deixam de fazer isso, podem ver em apenas duas semanas os efeitos benéficos para os pulmões, que podem recuperar o funcionamento normal", acrescentou Prasad.

A especialista explicou que, em 2017, 1,5 milhão de fumantes ou pessoas expostas à fumaça do tabaco morreram de doenças respiratórias crônicas, 1,2 milhão por câncer traqueal, bronquial ou pulmonar. Além disso, 600 mil foram vítimas de tuberculose e infecções do sistema respiratório.

Além disso, 60 mil menores de cinco anos morrem de infecções das vias respiratórias causadas pela fumaça alheia e os que chegam à idade adulta, têm mais probabilidades de sofrer mais adiante com doenças pulmonares obstrutivas crônicas.

Neste ano, a OMS renova o pedido para que os países reforcem a luta contra o tabagismo mediante a aplicação plena do convênio adotado em 2003 para seu controle. Além disso, pede que as nações tomem medidas, como o aumento dos impostos ao tabaco, que demonstrou ser uma boa via para reduzir a demanda.

Prasad afirmou que cerca de 80% dos 1,1 bilhão de fumantes no mundo vivem em países de renda média ou baixa, onde o impacto do tabaco na saúde pública é maior.

"A indústria tabagista tenta chegar agora lá, sabem que o hábito de fumar é uma causa perdida nos países desenvolvidos, portanto apontam para países com baixas e médias rendas, com o foco especialmente nas mulheres e crianças", afirmou Schotte.

A médica também ressaltou que foi possível reduzir o número relativo de fumantes no mundo - de 27% em 2000 para 20% em 2016 - mas esclareceu que devido ao aumento da população global, o número absoluto de consumidores de tabaco se mantém similar ao de 20 anos atrás, superando 1 bilhão.

A OMS fixou como meta reduzir a porcentagem do uso do tabaco em 25% para 2025 embora, segundo o especialista, "não estamos no bom caminho para cumpri-la", já que apesar de ter reduzido a prevalência em países desenvolvidos, esta se estagnou ou inclusive subiu em países pobres.

Cigarro eletrônico ou hipnose? Saiba o que ajuda a parar de fumar:

Cerca de 10% dos brasileiros fumam, segundo o Ministério da Saúde. Isso significa que há em torno de 20 milhões de fumantes no país. Esse número vem diminuindo, tendo caído 36% nos últimos 11 anos. O governo atribui essa queda à restrição de áreas para fumantes e o aumento do preço do produto 

É possível parar de fumar por contra própria, mas profissionais como pneumologistas e psicólogos podem ajudar nesse processo. É importante lembrar que a automedicação é contraindicada. O tratamento é individualizado e será elaborado com base no histórico do fumante. Confira os métodos utilizados nesse processo

Adesivo de nicotina: libera nicotina de forma contínua no organismo, fazendo reposição da substância enquanto a pessoa larga o cigarro. Por esse motivo, não deve ser usado enquanto o paciente ainda consome o tabaco, para que não haja excessos de nicotina no corpo. Deve ser usado com acompanhamento médico

Reposição de nicotina: é feita por meio de chicletes, pastilhas e spray nasal com nicotina. Trata-se de uma opção ao adesivo de nicotina. A diferença é que, enquanto o adesivo libera a substância durante 24 horas, esses métodos podem ser utilizados de forma esporádica e até mesmo quando o paciente não tem mais a necessidade contínua da nicotina. Deve ser usado com acompanhamento médico

Medicamentos: os remédios utilizados no tratamento para parar de fumar são de duas classes. A buopropiona é um anti-depressivo que ajuda a diminuir a compulsão. Já a vareniclina é um medicamento próprio para o tratamento de tabagismo. Age no cérebro, diminuindo a vontade de fumar e os efeitos da abstinência. O uso desse remédio depende da estipulação de uma data para que o paciente pare de fumar. Ambos só podem ser utilizados com acompanhamento médico

Cigarro eletrônico: a produção e comercialização desse produto não é legalizada no Brasil, mas o uso de cigarro eletrônico não é proibido. Seu consumo é controverso. Para algumas pessoas, pode ser uma ponte para farar de fumar, mas outras podem exagerar no consumo da versão eletrônica e acabar fumando mais. O pneumologista ressalta que a procedência do cigarro eletrônico disponível no Brasil é duvidosa, podendo conter, além da nicotina, substâncias desconhecidas dentro do refil líquido, o que pode prejudicar tanto ou mais que o cigarro convencional

Abandonar hábitos associados ao cigarro: se você fuma na balada ou ao tomar café ou depois de almoçar, é recomendável que mude os hábitos pelo menos nas primeiras semanas em que largou o cigarro até que consiga ter controle emocional para resistir à tentação. É aconselhável também que reorganize o ambiente, jogando fora objetos associados ao fumo, como cinzeiros. O pneumologista conta que teve paciente que até trocou de carro enquanto fazia o tratamento, por conta do cheiro de cigarro que ficou impregnado

Parada gradual: esse método consiste na retirada de unidades diárias de cigarro e de o paciente resistir a fumar outro cigarro ou comprar outro maço. O pneumologista afirma que este é um método que raramente tem eficácia, pois depende de muito autocontrole do paciente

Parada brusca: geralmente, são associadas a algum acontecimento, como descobertas de algum problema de saúde ou perda de entes queridos. Esse método pode ocorrer de forma repentina e com interrupção definitiva do hábito. O especialista afirma que é uma forma bastante eficaz e depende da motivação 

Terapia em grupo ou individual: o pneumologista afirma que o apoio emocional é essencial no tratamento de pessoas que querem parar de fumar para que se mantenham motivadas. O mais comum é que pacientes procurem a terapia individual. Já aqueles que são mais abertos para falar de suas experiências, também contam com terapia em grupo, como o grupo gratuito Nicotina Anônimos e no Facebook deles. 

Terapias alternativas: técnicas como meditação, hipnose, acupuntura e atividades físicas regulares são métodos eficazes para parar de fumar, segundo o pneumologista. As primeiras três técnicas ajudam a adquirir autocontrole necessário para resistir ao cigarro. Já a atividade física libera substâncias, como a endorfina, que trazem a sensação de prazer, concorrendo diretamente com a sensação da nicotina

Substituição por alimentos: alimentos ou água gelada ajudam a controlar a vontade de consumir o cigarro. Esse método auxilia a desviar o foco do cérebro, que "esquece" a necessidade da nicotina. No caso da água gelada, por exemplo, o cérebro vai se concentrar nessa sensação, segundo o pneumologista. É aconselhável escolher a água ou alimentos saudáveis para fazer essa substituição para evitar problemas como obesidade e diabetes por meio do consumo exagerado de gordura e açúcar

Vida após cigarro: logo no primeiro dia sem cigarro, já há benefícios ao organismo, como a diminuição dos batimentos e da pressão cardíaca. Já nos primeiros momentos sem a nicotina, há melhora do olfato, do paladar e da textura da pele. A médio prazo, há uma melhora na capacidade pulmonar e diminuição de riscos para doenças cardiovasculares. A longo prazo, diminuem as chances do aparecimento de câncer e do desenvolvimento da bronquite

Fonte: R7

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive