Espaço do

Familiar


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

[CÂNCER COLORRETAL] Ariana Barbosa Carvalho

Compartilhando Experiência



Essa entrevista foi preenchida em 18/04/2015

  • Instituto Oncoguia - Você poderia se apresentar? Ariana - Me chamo Ariana, tenho 24 anos, sou Nutricionista.
  • Instituto Oncoguia - Quem em sua família tem/teve câncer? Ariana - Minha mãe e minha tia. Minha mãe acabou o tratamento de um câncer no reto recentemente e minha tia tem câncer colorretal com metástase hepática, ainda não começou o tratamento do câncer, pois para quem não sabe o tratamento para esta doença através do SUS tem um prazo para ser cumprido de 60 dias, mas nem sempre isso ocorre.
  • Instituto Oncoguia - Sabemos que o diagnóstico de um câncer também tem um impacto grande na família, como você lidou com esse momento? Ariana - Não é fácil. No começo parece que é a pior notícia que você poderia ter recebido, o próprio portador da doença recebe a notícia muitas vezes de uma maneira muito negativa já que a doença está associada pelas pessoas a um diagnóstico de morte, mas sabemos que hoje o tratamento do câncer evoluiu e tem muitas chances de recuperação. A primeira coisa que fiz foi tentar manter a calma para dar calma para minha mãe já que na minha família foi a primeira a ter o diagnóstico, ela ficou muito triste e acredito que minha força e a força que a família deu fez com que ela se levantasse e seguisse com o tratamento. Tem que ter calma, paciência, dar carinho e amor para que o familiar se sinta confiante e saiba que todos estão ali por ele para que ele se recupere.
  • Instituto Oncoguia - Quais foram os principais desafios enfrentados? Ariana - O principal desafio foi o da aceitação, existe uma diferença muito grande na reação dos familiares e do paciente com a notícia. O paciente muitas vezes não vai aceitar, vai ficar triste, vai achar que é o fim, nem todos são assim, mas eu enfrentei e estou enfrentando esse desafio. Como eu disse anteriormente o familiar tem que ter paciência e força para lidar com isso. Passado esse desafio, enfrentei o desafio de conseguir o tratamento pelo SUS, demorou muito, eu cheguei ao ponto de ir atrás da Defensoria Pública para conseguir o tratamento no caso da minha mãe, mas consegui antes do processo ir para frente. No caso da minha tia estou à procura de um hospital já que a burocracia para isso é muito grande! E claro, depois disso veio o desafio do tratamento com todos os seus processos, cirurgia, quimioterapia, radioterapia, reações dos tratamentos, etc. Tudo isso não é motivo de desistir, muito pelo contrário, quando você começa a ver que está fazendo efeito, todo o sofrimento que o tratamento pode causar, fica para trás. Sem esquecer-se do apoio da família, que nesta fase é mais decisivo do que nunca.
  • Instituto Oncoguia - De que forma você ajudou seu familiar? Ariana - Sendo sempre verdadeira, independente de que o familiar tem o direito de saber de tudo, além de ter paciência, conversar muito, mostrar que eu estava sempre do lado dela, dar todo o apoio em todos os momentos.
  • Instituto Oncoguia - Você buscou se informar sobre a doença? Isso lhe ajudou? Ariana - Por eu ser da área da saúde já tinha conhecimento, mas é claro que não o suficiente. Eu pesquisei muito, até sobre a cirurgia, pesquisei o que ela ainda enfrentaria e muitas vezes por ter esse conhecimento eu conseguia passar algumas coisas básicas de informação para ela porque o necessário mesmo era somente com o médico. A pesquisa ajudou muito, mas você tem que ter a consciência do que aquela informação é daquela fonte que está pesquisando e se a informação é verdadeira, isso é muito importante.
  • Instituto Oncoguia - Você buscou apoio psicológico? Se sim, de que forma isso lhe ajudou? Ariana - Eu e minha mãe sempre tivemos uma ligação muito forte já que eu não tive a figura do pai presente então, ela supriu tudo isso. Um pouco antes de descobrir a doença eu comecei a buscar a minha independência financeira e profissional, neste caso eu estava mais afastada por essas razões. Após a notícia, eu não pensei duas vezes em largar tudo e ficar ao lado dela, minha mãe é sensível e eu sabia que eu teria que estar sempre presente. A nossa ligação então cresceu, chega um momento da vida em que os pais trocam de lugar com os filhos e foi isso o que ocorreu. O que eu tenho a dizer em relação a isso é que, eu não me arrependo em momento algum de ter largado o que estava fazendo para ir à luta com ela e depois, é muito gratificante você ver que ajudou sua mãe, que cuidou dela e que está fazendo tudo o que está ao seu alcance para vê-la bem. A minha tia é como uma mãe então a relação ficou muito forte. Muitas vezes você vai perceber que por ser a pessoa mais próxima a que está cuidando de tudo, o familiar vai buscar sempre um apoio em você em todas as fases do tratamento.
  • Instituto Oncoguia - Após a descoberta do câncer no seu familiar, você ficou mais atento com a sua própria saúde? De que forma você se cuida? Ariana - Vou ser sincera, são dois casos de câncer e só eu praticamente para cuidar das duas, como nutricionista eu cuido sempre que possível da minha alimentação e da alimentação delas, mas nem sempre eu consigo. Confesso que não estou me dando tanta atenção, mas sei dos meus riscos em relação a esta doença e eu já estou com consulta marcada. Acredito que em uma situação como esta temos também que cuidar de nós mesmos.
  • Instituto Oncoguia - Que conselho ou dica você daria para um familiar que esta enfrentando o câncer em casa? Ariana - Não se assuste, não tenha medo, o medo nos faz ficar desesperado e nos leva a agir sem pensar. Eu sei muito bem que é difícil dizer isso para alguém que esta enfrentando o câncer pela primeira vez, mas não se pode perder o controle. Calma, paciência, pois é um tratamento longo, carinho, amor, tudo isso será necessário. Pesquise bastante, conheça os direitos do paciente com câncer, conheça a doença, busque informações com quem tem essa experiência, não desanime, cuide de você também você vai precisar.
  • Instituto Oncoguia - Como você conheceu o Instituto Oncoguia? Ariana - Através das pesquisas que comecei a fazer sobre a doença e a partir dai fui pesquisando outras coisas, pois o site tem muitas informações importantes para o paciente e para o familiar.
  • Instituto Oncoguia - Você tem alguma sugestão a nos dar? Ariana - Não, acredito que o trabalho de vocês está excelente. Estão de parabéns, é um site completo em informações e prestação de serviço. Continuem assim! E obrigada pela atenção!


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2020 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive