Espaço do

Paciente


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Apoio
Roche Norvatis Varian Bristol Lilly Amgen Pfizer Astrazeneca Bayer Janssen Msd Google grants Techsoup Lookmysite Ipsen Servier UICC Merck Abbvie Mundipharma United Medical Takeda Astellas

[Câncer de Mama] Marli aparecida Feltrim Calmon Nogueira da Gama

Aprendendo Com Você



Essa entrevista foi preenchida em 14/09/2017

  • Instituto Oncoguia - Quem é você? (idade, profissão, tem filhos, casada, cidade e estado?) Marli - Casada, 57 anos, 3 filhos, pedagoga, moro em Maringá/Paraná. 
  • Instituto Oncoguia - Como foi que você descobriu que estava com câncer? Marli - Mamografia.
  • Instituto Oncoguia - Você apresentou sinais e sintomas do câncer? Quais? Marli - Apresentei calcificações na mama, retiradas 4 meses antes de aparecer o tumor nos exames de verificação.
  • Instituto Oncoguia - Quais dificuldades você enfrentou para fechar o seu diagnóstico? Marli - Nenhuma dificuldade.
  • Instituto Oncoguia - Como você ficou quando recebeu o diagnóstico? O que sentiu? No que pensou? Marli - Que ia morrer, sofrer como minha mãe. Ela teve câncer de ovário.
  • Instituto Oncoguia - Qual foi a sua maior preocupação neste momento? Marli - Meus filhos, meu marido, meu neto. Na época só tinha 1.
  • Instituto Oncoguia - Você já começou o tratamento? Em que parte do tratamento você se encontra nesse momento? Se já finalizou, conte-nos um pouco sobre como foi enfrentar todos os tratamentos? Marli - Fiz a cirurgia em agosto de 2010. Tive 2 tumores, um em cada mama ao mesmo tempo. Não eram metástase um do outro. Diferentes tumores. Menos de 1 cm. Fiz mastectomia total bilateral com retirada de aréolas e bico para não dar chance pro azar. Não fiz quimioterapia, nem rádio. Tomei anastrozol por 7 anos.
  • Instituto Oncoguia - Em sua opinião, qual é o tratamento mais difícil? Por quê? Marli - A cirurgia foi muito traumatizante. A dor foi absurda. Ela parecia eterna. Muito sofrimento. O anastrozol me causou muitas dores, mas em doses bem mais leves.
  • Instituto Oncoguia - Você sentiu algum efeito colateral diante ao tratamento? Como lidou com isso? O que te ajudou? Marli - As dores nas articulações foram bem incômodas, mas nunca deixei de fazer pilates e ginástica.
  • Instituto Oncoguia - Como foi/é a sua relação com seu médico oncologista? Marli - É muito boa. Tanto com o mastologista quanto a oncologista são maravilhosos. Amigos, compreensivos, profissionais incríveis e humanos demais. São meus ídolos!
  • Instituto Oncoguia - Você se relacionou com outros profissionais? Se sim, quais e por quê? Marli - Sim, muitos. Fisioterapeutas, psiquiatra, psicólogas, educadora física, a minha adorável cirurgiã plástica que reconstruiu minhas mamas e a médica que fez a tatuagem das aréolas.
  • Instituto Oncoguia - Você fez ou faz acompanhamento psicológico? Se sim, conte-nos um pouco sobre a importância desse profissional nessa fase da sua vida. Marli - Sim, estou com acompanhamento psiquiátrico para medição de controle da ansiedade e a psicóloga para me ajudar a superar minhas angústias e medos. Felizmente posso contar com eles. Essa ansiedade me pegou muito.
  • Instituto Oncoguia - Como está a sua vida hoje? Marli - Está bem. Não creio que serei a mesma pessoa que era antes, mas estou bem, tenho medo da doença demais. Qualquer doença em realidade. Qualquer dor me deixa mal e já vou atrás de decifrar o que é e buscar a melhora urgente antes que a ansiedade me mate.
  • Instituto Oncoguia - Você continua trabalhando ou parou por causa do câncer? Marli - Já estava aposentada quando descobri o câncer de mama.
  • Instituto Oncoguia - Você buscou seus direitos? Se sim, quais? Marli - Pedi o não desconto de IR pelos 5 anos. Agora estou pedindo para ter na compra do carro. Estou nos trâmites. Esta é a segunda vez que pedi, a primeira vez em 2010, foi indeferido, apesar de eu não conseguir mover direito o braço.
  • Instituto Oncoguia - Quais são seus projetos para o futuro? Marli - Ser feliz! Ver meus netos crescerem, me mudar para um novo apartamento, pequeno, sem tantos afazeres, viajar com o marido e viver com saúde.
  • Instituto Oncoguia - Que orientações você daria para alguém que está recebendo o diagnóstico de câncer hoje? Marli - Não ter medo. Lutar até onde não poder mais. Ler muito sobre o assunto e não se enganar, se cuidar ao primeiro sinal de qualquer problema. Prevenção é muitas vezes nossa salvação. Tenho visto casos de meninas muito jovens com câncer de mama, isso me apavora. Tenho duas filhas.
  • Instituto Oncoguia - Como você conheceu o Oncoguia? Marli - Facebook
  • Instituto Oncoguia - Você tem alguma sugestão a nos dar? Marli - Não, vocês são ótimos.
  • Instituto Oncoguia - O que você acha que deveria ser feito para melhorar a situação do câncer no Brasil? Deixe um recado para os políticos brasileiros! Marli - Mais verbas para pesquisas. Só damos valor a vida, quando corremos o risco de perdê-la. Melhores hospitais, mais hospitais específicos para o tratamento do Câncer com muitos médicos pesquisadores atuando. Um sonho! Não somos políticos para receber tratamento de Lula e Dilma no Sírio- Libanês!


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2020 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive