Espaço do

Paciente


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Apoio
Roche Norvatis Varian Bristol Lilly Amgen Pfizer Astrazeneca Bayer Janssen Msd Google grants Techsoup Lookmysite Ipsen Servier UICC Merck Abbvie Mundipharma United Medical Takeda Astellas

[Câncer de Mama] Maria Laura Icart Neme

Aprendendo Com Você



Essa entrevista foi preenchida em 05/08/2017

  • Instituto Oncoguia - Quem é você? (idade, profissão, tem filhos, casada, cidade e estado?) Maria - Sou médica Nefrologista, tenho 46 anos, dois filhos adolescentes de 12 e 14 anos, divorciada, sou mãe e pai. Nos mudamos a um ano para Curitiba por motivo de trabalho, e quando ainda estávamos na fase de adaptação a vida me surpreendeu.
  • Instituto Oncoguia - Como foi que você descobriu que estava com câncer? Maria - Descobri por acaso porque queria usar um método anticoncepcional. O primeiro exame deu um nódulo benigno, mas não me conformei com essa resposta e fiz um novo exames, o qual apareceu diferente.
  • Instituto Oncoguia - Você apresentou sinais e sintomas do câncer? Quais? Maria - Não
  • Instituto Oncoguia - Quais dificuldades você enfrentou para fechar o seu diagnóstico? Maria - Nenhuma, como sou médica tive muito apoio dos colegas e serviços de imagem, em 10 dias, de repente,  tive o diagnóstico de Câncer. Isso, rápido e foi assustador.
  • Instituto Oncoguia - Como você ficou quando recebeu o diagnóstico? O que sentiu? No que pensou? Maria - Recebi o resultado da biopsia no meu e-mail, pelo fato de ser médica. Li sozinha, e achei que iria morrer . Surtei, sai correndo, querendo fugir . Me desesperei por uns minutos, mas aos poucos fui tentando me acalmar. Nunca imaginei que isso aconteceria comigo.
  • Instituto Oncoguia - Qual foi a sua maior preocupação neste momento? Maria - Morrer, e deixar meus filhos. Sou mãe e pai, cuido sozinha deles desde que me divorciei a 7 anos. A minha única preocupação sempre foi e são meus filhos.
  • Instituto Oncoguia - Você já começou o tratamento? Em que parte do tratamento você se encontra nesse momento? Se já finalizou, conte-nos um pouco sobre como foi enfrentar todos os tratamentos? Maria - Meu carcinoma foi lobular a D, após varias opiniões resolvi fazer mastectomia radical bilateral, pois a chance de recidiva neste caso é maior na mama contra lateral. Deu tudo negativo , e como fiz a cirurgia radical, a indicação foi de usar Tamoxifeno .
  • Instituto Oncoguia - Em sua opinião, qual é o tratamento mais difícil? Por quê? Maria - Tenho pânico de que recidive, e de que tenha que fazer outro tipo de tratamento.
  • Instituto Oncoguia - Você sentiu algum efeito colateral diante ao tratamento? Como lidou com isso? O que te ajudou? Maria - Não
  • Instituto Oncoguia - Como foi/é a sua relação com seu médico oncologista? Maria - Excelente
  • Instituto Oncoguia - Você se relacionou com outros profissionais? Se sim, quais e por quê? Maria - Sim, estou fazendo terapia, fui na nutricionista e fisioterapeuta. Acredito que é um divisor de águas, tudo tem que mudar, alimentação, estilo de vida, etc.
  • Instituto Oncoguia - Você fez ou faz acompanhamento psicológico? Se sim, conte-nos um pouco sobre a importância desse profissional nessa fase da sua vida. Maria - Acho fundamental a ajuda com o psicólogo. O MEDO é um dos sentimentos mais aterrorizantes, e o medo a deixar meus filhos foi demais para mim. Não me revoltei com Deus, muito pelo contrário, a fé que tenho me levantou, assim como a ajuda dos amigos foi fundamental. Mas é preciso mudar, é preciso achar um novo significado para a vida. Sempre lidei com pacientes graves, e agora mudar de lado foi muito difícil.
  • Instituto Oncoguia - Como está a sua vida hoje? Maria - Fiquei sem trabalhar dois meses pela cirurgia. Já estou trabalhando, fazendo terapia, na academia, e buscando um novo significado a minha vida. As vezes é difícil ver doentes o dia todo. Ainda é difícil falar sobre o assunto.
  • Instituto Oncoguia - Você continua trabalhando ou parou por causa do câncer? Maria - Parei dois meses. já voltei
  • Instituto Oncoguia - Você buscou seus direitos? Se sim, quais? Maria - Ainda não 
  • Instituto Oncoguia - Quais são seus projetos para o futuro? Maria - Criar meus filhos, me manter saudável, refazer o significado da minha vida. Ser feliz dia a dia. Dar um significado de gratidão a vida, comecei a dar aulas voluntárias de espanhol para um curso pré vestibular de jovens carentes. Muitos amigos me deram o significado de buscar fazer trabalhos voluntários como gratidão e isso tem me ajudado muito.
  • Instituto Oncoguia - Que orientações você daria para alguém que está recebendo o diagnóstico de câncer hoje? Maria - Que tenha fé, que busque em Deus a força para lutar. Que busque ajuda médica o mais rápido possível e que acredite que tudo dará certo.
  • Instituto Oncoguia - Como você conheceu o Oncoguia? Maria -
    Internet

  • Instituto Oncoguia - Você tem alguma sugestão a nos dar? Maria - Não
  • Instituto Oncoguia - O que você acha que deveria ser feito para melhorar a situação do câncer no Brasil? Deixe um recado para os políticos brasileiros! Maria - É um absurdo o que estão fazendo com a saúde no Brasil. As pessoas não tem acesso fácil, demoram muito para fazer diagnóstico, por isso começam o tratamento geralmente com a doença mais avançada. É um absurdo mamografia cada dois anos, não darem acesso livre a US de mama. Meu tipo deu negativo na mamografia.


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2020 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive