Espaço do

Paciente


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Apoio
Roche Norvatis Varian Bristol Lilly Amgen Pfizer Astrazeneca Bayer Janssen Msd Google grants Techsoup Lookmysite Ipsen Servier UICC Merck Abbvie Mundipharma United Medical Takeda Astellas

[Tumores Cerebrais / Sistema Nervoso Central] Lays Livia Thomaz

Aprendendo Com Você



Essa entrevista foi preenchida em 28/11/2018

Lays Livia Thomaz
  • Instituto Oncoguia - Quem é você? (idade, profissão, tem filhos, casada, cidade e estado?) Lays - Tenho 25 anos, sou formada em Administração, tenho uma filha de 10 meses, namoro e moro em Campinas-SP.
  • Instituto Oncoguia - Como foi que você descobriu que estava com câncer? Lays - Após uma ressonância magnética que apontou uma alteração cerebral.
  • Instituto Oncoguia - Você apresentou sinais e sintomas do câncer? Quais? Lays - Sim. Em uma sexta-feira acordei indisposta, com uma dor de cabeça horrível e em uma semana havia perdido 80% dos movimentos do lado esquerdo, inclusive a fala. Na segunda-feira senti um espasmo seguido de uma dorzinha chata no braço, na terça-feira estava com fraqueza no braço também, na quarta a fala ficou enrolada, na quinta a perna foi perdendo força e na sexta já estava com os movimentos debilitados.
  • Instituto Oncoguia - Quais dificuldades você enfrentou para fechar o seu diagnóstico? Lays - Procurei um PS quando percebi que a fala estava enrolada, foi realizado uma tomografia e o médico me disse que não era nada, que os sintomas poderia ser devido ao pós parto (minha neném tinha 2 meses na época). Fui procurar outra opinião médica, foi realizado uma ressonância, após, já fiquei internada fazendo exames e mais exames.. O diagnóstico concreto levou cerca de 1 mês e meio, antes havia somente hipótese de um tumor cerebral.
  • Instituto Oncoguia - Como você ficou quando recebeu o diagnóstico? O que sentiu? No que pensou? Lays - Eu me senti aliviada por estar recebendo um verdadeiro diagnóstico depois de tantos dias de angústia e suposições. Foi realizado uma biópsia que confirmou ser um tumor maligno (astrocitoma grau II). Mesmo recebendo a triste notícia que eu havia um tumor cerebral, no momento só pensava que iria lutar contra essa doença, lutar com todas as minhas forças e não me entregar em nenhum momento.
  • Instituto Oncoguia - Qual foi a sua maior preocupação neste momento? Lays - Em não morrer e deixar minha filha.. E quais seriam os próximos passos.
  • Instituto Oncoguia - Você já começou o tratamento? Em que parte do tratamento você se encontra nesse momento? Se já finalizou, conte-nos um pouco sobre como foi enfrentar todos os tratamentos? Lays - No hospital, já na primeira internação iniciei tratamento com corticoide, que conteve a lesão e devolveu os movimentos, o desmame ocorreu após a biópsia. Fiz uso do medicamento aproximadamente 3 meses. Atualmente não preciso de nenhum tratamento como quimio ou rádio, faço acompanhamento com ressonância a cada 3 meses, afim de verificar se o tumor evoluiu ou não.
  • Instituto Oncoguia - Em sua opinião, qual é o tratamento mais difícil? Por quê? Lays - Não conheci outros tratamentos além do corticoide, mas esse único foi horrível. Engordei, fiquei muito inchada, não conseguia dormir e me sentia deslocada do mundo.
  • Instituto Oncoguia - Como foi/é a sua relação com seu médico oncologista? Lays - Meu onco é maravilhoso, sem palavras para ele. Desde o primeiro momento foi um anjo em minha vida.
  • Instituto Oncoguia - Você se relacionou com outros profissionais? Se sim, quais e por quê? Lays - Neurologista, foi ele que me deu o diagnóstico, realizou a biópsia e acompanha as ressonâncias junto com o onco. Fisioterapeuta, após a biópsia fiquei com paralisia no lado direito do rosto, então faço tratamento para superar isso. Otorrino, tive perda de audição do lado direito também após a biópsia. Após vários exames foi constatado perda definitiva.
  • Instituto Oncoguia - Você fez ou faz acompanhamento psicológico? Se sim, conte-nos um pouco sobre a importância desse profissional nessa fase da sua vida. Lays - Quando descobri sobre o tumor algum tempo depois desenvolvi crise de ansiedade e síndrome do pânico. Essa ajuda foi muito importante e essencial em todo processo, me ajudou a controlar todos os sentimentos, dúvidas e medos.
  • Instituto Oncoguia - Como está a sua vida hoje? Lays - Minha vida está maravilhosa, sou muito grata a Deus por tudo. Principalmente por poder estar acompanhando o crescimento da minha filha, por não precisar de tratamento e por ter conseguido enfrentar e continuar enfrentando, sem desacreditar por um segundo que fosse que tudo daria certo e está dando. Não há felicidade maior.
  • Instituto Oncoguia - Você continua trabalhando ou parou por causa do câncer? Lays - Estou afastada pelo INSS.
  • Instituto Oncoguia - Quais são seus projetos para o futuro? Lays - Continuar aproveitando cada segundo dessa nova chance que tive, acredito que nada é por acaso e se eu fui escolhida era porque precisava ver a vida com outros olhos e entender o porque de tantas coisas terem acontecido.
  • Instituto Oncoguia - Que orientações você daria para alguém que está recebendo o diagnóstico de câncer hoje? Lays - Que somos mais fortes do que imaginamos, aceitar e não se entregar achando que tudo está perdido. É uma fase, uma fase horrível mas que passa. Depois do câncer nasce uma nova pessoa, muito melhor que aquela antes do câncer. Nunca desacredite do que você é capaz e nunca pense nada negativo.
  • Instituto Oncoguia - Como você conheceu o Oncoguia? Lays - Através de pesquisas sobre o câncer.
  • Instituto Oncoguia - Você tem alguma sugestão a nos dar? Lays - Nenhuma, adoro o site.
  • Instituto Oncoguia - O que você acha que deveria ser feito para melhorar a situação do câncer no Brasil? Deixe um recado para os políticos brasileiros! Lays - Que seja mais divulgado e falado sobre o câncer.. Que tire o mito de que uma pessoa com câncer tenha uma sentença de morte. E ajude muito as pessoas que não tem condições para pagar um tratamento, que não as deixe morrer em fila de hospital sem ao menos saber porque está lá. Que dê a chance a cada um de lutar contra essa doença.


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2020 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive