Espaço do

Paciente


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Apoio
Roche Norvatis Varian Bristol Lilly Amgen Pfizer Astrazeneca Bayer Janssen Msd Google grants Techsoup Lookmysite Ipsen Servier UICC Merck Abbvie Mundipharma United Medical Takeda Astellas

[Câncer de Mama] Gloriete de França Pimentel

Aprendendo Com Você



Essa entrevista foi preenchida em 16/06/2019

Gloriete de França Pimentel
  • Instituto Oncoguia - Quem é você? (idade, profissão, tem filhos, casada, cidade e estado?) Gloriete - Sou Pedagoga aposentada pela PMSP em fevereiro de 2014. Quando descobri o Câncer em janeiro de 2014, na época estava com 58 anos e optei pela mastectomia radical bilateral, por ser a terceira das quatro irmãs a apresentar a doença. Tenho dois filhos homens já casados, não tenho netos ainda, sou natural de Recife-PE, mas vivo em São Paulo-SP desde 1979. Em setembro de 2018, nos exames semestrais fui diagnosticada com a volta do câncer, inclusive na mesma mama. Em outubro 2018 fiz a cirurgia para retirada dos tumores e em novembro comecei o tratamento quimioterápico e depois das quatro sessões vermelhas, iniciamos a radioterapia concomitantemente com as sessões brancas da quimioterapia. Agora devo voltar ao Oncologista para saber a continuação do tratamento.
  • Instituto Oncoguia - Como foi que você descobriu que estava com câncer? Gloriete - Por ter tido duas irmãs com câncer de mama já fazia o acompanhamento anual. Nos exames de janeiro de 2014, a ultrassonografia apresentou o nódulo e a biópsia confirmou a malignidade.
  • Instituto Oncoguia - Você apresentou sinais e sintomas do câncer? Quais? Gloriete - Não sentia absolutamente nada, inclusive o nódulo não era palpável.
  • Instituto Oncoguia - Quais dificuldades você enfrentou para fechar o seu diagnóstico? Gloriete - Nenhuma.
  • Instituto Oncoguia - Como você ficou quando recebeu o diagnóstico? O que sentiu? No que pensou? Gloriete - Fiquei bastante triste e apreensiva quanto ao avanço do tumor e temi muito que outros órgãos já estivessem comprometidos. O que não se confirmou, porém, um desses dois novos tumores estava localizado na região axilar com irradiação para costela na parte dorsal.
  • Instituto Oncoguia - Qual foi a sua maior preocupação neste momento? Gloriete - Além de morrer, temi muito, pois seria uma cirurgia grande (com previsão para 8-10 horas), o local do tumor que atingia a costela estava em área de difícil acesso e não sabia se iria ser possível fazer a reconstituição com prótese naquela mesma cirurgia. Mas, sem dúvida, a possibilidade de intercorrências que dificultassem o desenvolvimento da cirurgia e que viessem à minha morte foi o medo maior.
  • Instituto Oncoguia - Você já começou o tratamento? Em que parte do tratamento você se encontra nesse momento? Se já finalizou, conte-nos um pouco sobre como foi enfrentar todos os tratamentos? Gloriete - A cirurgia foi realizada em novembro 2018. Após toda cicatrização iniciamos 4 sessões de quimioterapia (vermelha), depois passamos a 25 sessões diárias de radioterapia e concomitantemente 12 sessões semanais de quimioterapia (branca) que terminei no dia 30 de maio de 2019. Amanhá voltarei ao Oncologista para que veja o hemograma e defina o que será feita daqui para frente.
  • Instituto Oncoguia - Em sua opinião, qual é o tratamento mais difícil? Por quê? Gloriete - As sessões de quimioterapia é a fase mais difícil por conta dos efeitos colaterais, que vão desde a ânsia sem fim até a queda de todos os cabelos e pelos do corpo inteiro. Em ralação às sessões de radioterapia, os incômodos para mim, começaram quarenta dias depois do início, pois começaram a estourar as queimaduras na pele, na parte da frente, nas costas e na axila. Foi muito incômodo até a cicatrização, até por ser um local difícil.
  • Instituto Oncoguia - Você sentiu algum efeito colateral diante ao tratamento? Como lidou com isso? O que te ajudou? Gloriete - Durante os efeitos bebi muito líquido gelado, tomei remédios para ânsia de vômito de 4 em quatro horas, alternando dois remédios que meu onco passou e que foram eficazes, pois não apresentei vômitos e nem febre.
  • Instituto Oncoguia - Como foi/é a sua relação com seu médico oncologista? Gloriete - Meu oncologista é o mesmo desde 2014 quando do primeiro nódulo e continuo com ele, que é competente, cuidadoso e muito atencioso. Faz questão de me explicar tudo muito detalhadamente.
  • Instituto Oncoguia - Você se relacionou com outros profissionais? Se sim, quais e por quê? Gloriete - Não.
  • Instituto Oncoguia - Você fez ou faz acompanhamento psicológico? Se sim, conte-nos um pouco sobre a importância desse profissional nessa fase da sua vida. Gloriete - Só com Deus!
  • Instituto Oncoguia - Como está a sua vida hoje? Gloriete - Estou esperançosa e fortalecida para continuar a batalha se ainda não dada por encerrada a guerra. Confio em Deus de que tudo será conforme a Sua vontade para a minha vida.
  • Instituto Oncoguia - Você continua trabalhando ou parou por causa do câncer? Gloriete - Estou aposentada desde o aparecimento do primeiro tumor em 2014.
  • Instituto Oncoguia - Você buscou seus direitos? Se sim, quais? Gloriete - Sim. Isenção de IPI/ICMS para aquisição veicular, Isenção de IRRF.
  • Instituto Oncoguia - Quais são seus projetos para o futuro? Gloriete - Ficar curada, continuar a viver aproveitando cada dia dessa maravilhosa aventura que é a VIDA.
  • Instituto Oncoguia - Que orientações você daria para alguém que está recebendo o diagnóstico de câncer hoje? Gloriete - Primeiramente Fé de que tudo está nas mãos daquele que também nos permitiu chegar onde chegamos; Força e determinação para enfrentar as dificuldades que se apresentarem durante o tratamento, lembrando sempre que cada organismo é único e responde de forma única também;Convicção de cada câncer é de um tipo e que existem tratamentos diferenciados para cada espécie de tumor e consequentemente, os efeitos são diferenciados e por último ter em mente que querer a cura é a mais eficaz ferramente para vencer esta guerra.
  • Instituto Oncoguia - Como você conheceu o Oncoguia? Gloriete - Por indicação do mastologista que me acompanhou no primeiro tumor e também por ele atender pelo meu plano de saúde. Ao chegar no consultório obtive ótimas informações de pacientes que já estavam sendo acompanhados por ele.
  • Instituto Oncoguia - Você tem alguma sugestão a nos dar? Gloriete - Encontrem um meio de lutar para que o atendimento pelo SUS seja mais rápido, essa doença é uma verdadeira corrida contra o tempo, e muitas e muitas pessoas não possuem outra alternativa.
  • Instituto Oncoguia - O que você acha que deveria ser feito para melhorar a situação do câncer no Brasil? Deixe um recado para os políticos brasileiros! Gloriete - Sem dúvida maior investimento em saúde, melhorias no Sistema Único de Saúde e celeridade nos exames de pessoas acometidas pelo câncer, onde cada dia significa uma chance ganha ou perdida.


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2020 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive