Espaço do

Paciente


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Apoio
Roche Norvatis Varian Bristol Lilly Amgen Pfizer Astrazeneca Bayer Janssen Msd Google grants Techsoup Lookmysite Ipsen Servier UICC Merck Abbvie Mundipharma United Medical Takeda Astellas

[Câncer de Mama] Gisele Bicalho

Aprendendo Com Você



Essa entrevista foi preenchida em 07/07/2017

Gisele Bicalho
  • Instituto Oncoguia - Quem é você? (idade, profissão, tem filhos, casada, cidade e estado?) Gisele - Me chamo Gisele, tenho 31 anos, técnica em enfermagem, mãe de duas lindas meninas, casada e moro em Brasília/DF.
  • Instituto Oncoguia - Como foi que você descobriu que estava com câncer? Gisele - Descobri o câncer quando fazia tratamento de outro problema de saúde. Em uma tomografia de tórax já foi possível visualizar o nódulo na mama que eu nunca havia sentido.
  • Instituto Oncoguia - Você apresentou sinais e sintomas do câncer? Quais? Gisele - Havia um nódulo consideravelmente grande na mama direita, que eu nunca havia sentido no auto exame que fazia pelo menos 1 vez por mês. Era o único sinal do câncer e que eu não soube identificar.
  • Instituto Oncoguia - Quais dificuldades você enfrentou para fechar o seu diagnóstico? Gisele - Não teve nenhuma dificuldade, graças a Deus. Após a ecografia mamária já fui encaminhada para biópsia e após o resultado o médico já fechou o diagnóstico e encaminhou para o oncologista para iniciar o tratamento. Se tratando de SUS, foi tudo bem rápido.
  • Instituto Oncoguia - Como você ficou quando recebeu o diagnóstico? O que sentiu? No que pensou? Gisele - No momento, tentei me manter o mais racional possível. A família ficou mais abalada do que eu. O câncer adoece toda a família e essa era a minha maior preocupação naquele momento. Confiava na medicina e no tratamento sugerido pelos médicos. É claro que ninguém passa indiferente por essa doença, mas manter a calma é essencial. Pensei sim que poderia morrer e deixar minhas filhas ainda pequenas. Mas não deixei esse tipo de pensamento me colocar pra baixo. Usei a minha família e amor que eles tem por mim como combustível para seguir em frente nessa batalha.
  • Instituto Oncoguia - Qual foi a sua maior preocupação neste momento? Gisele - Me preocupava com a reação da minha família. Das minhas filhas e de meu marido. Não queria vê-los sofrer, e isso me atormentou nos primeiros momentos, mas depois me mantive confiante e tinha certeza que tudo daria certo.
  • Instituto Oncoguia - Você já começou o tratamento? Em que parte do tratamento você se encontra nesse momento? Se já finalizou, conte-nos um pouco sobre como foi enfrentar todos os tratamentos? Gisele - Meu tratamento foi o neoadjuvante, antão realizei 8 sessões de quimioterapia, sendo 4 vermelhas e 4 brancas, e recentemente fiz a mastectomia radical nas duas mamas, com reconstrução imediata. O tratamento não é fácil, exige muita força de vontade. Quando iniciamos o tratamento é que nos sentimos mais doentes, mas ele é extremamente necessário. Fundamental e indispensável!
  • Instituto Oncoguia - Em sua opinião, qual é o tratamento mais difícil? Por quê? Gisele - O mais difícil, pra mim, foram as quimioterapias. Foi quando me senti, de fato, doente. O câncer não havia mudado nada em mim, nem me trazido dores ou desconfortos. A quimioterapia sim. Mudou-me fisicamente e fez estragos no meu organismo.
  • Instituto Oncoguia - Você sentiu algum efeito colateral diante ao tratamento? Como lidou com isso? O que te ajudou? Gisele - Senti todos os efeitos colaterais e mais um pouco. Tive muita náusea e vômitos, muito cansaço e dores absurdas no corpo inteiro, principalmente nas costas e articulações. Os cabelos caíram 15 dias após a primeira sessão de quimioterapia, as unhas ficaram escuras e descolando dos dedos, muitas feridas na boca. Da cirurgia, a recuperação está sendo ótima, sem grandes problemas.
  • Instituto Oncoguia - Como foi/é a sua relação com seu médico oncologista? Gisele - Boa relação, não é tão acessível quanto eu gostaria, mas graças a Deus não tivemos problemas durante todo o tratamento.
  • Instituto Oncoguia - Você se relacionou com outros profissionais? Se sim, quais e por quê? Gisele - Mastologista maravilhoso. Atencioso, sempre pronto para me atender quando precisei, esclareceu todas as dúvidas sobre o tratamento. Cirurgiã plástica, também maravilhosa, muito humana, carinhosa e atenciosa. O resultado da mastectomia ficou perfeito. Ninguém diz que retirei as 2 mamas.
  • Instituto Oncoguia - Você fez ou faz acompanhamento psicológico? Se sim, conte-nos um pouco sobre a importância desse profissional nessa fase da sua vida. Gisele - Não houve necessidade, mas acredito que seja sim muito importante o apoio psicológico profissional. Não é um diagnóstico fácil de lidar.
  • Instituto Oncoguia - Como está a sua vida hoje? Gisele - Hoje me recupero bem da cirurgia e tudo indica que não vou precisar de radioterapia. Fiz a última químio à aproximadamente 2 meses, mas ainda sinto os efeitos no meu organismo. Hoje dou muito mais valor a coisas que não dava antes do câncer. A gente passa a enxergar a vida com outros olhos.
  • Instituto Oncoguia - Você continua trabalhando ou parou por causa do câncer? Gisele - Parei de trabalhar. Estou afastada à 7 meses.
  • Instituto Oncoguia - Você buscou seus direitos? Se sim, quais? Gisele - Afastamento do trabalho pelo INSS e auxílio doença.
  • Instituto Oncoguia - Quais são seus projetos para o futuro? Gisele -
    Ficar curada dessa doença pra sempre, voltar a trabalhar e ter a minha vida de volta. Viajar muito com meu marido e minhas filhas. Valorizando cada momento ao lado da minha família e poder ajudar as pessoas que também passam por essa doença. Pensando nisso, fiz um blog onde conto como passei por tudo isso da melhor maneira possível: Câncer de mama aos 30 anos
  • Instituto Oncoguia - Que orientações você daria para alguém que está recebendo o diagnóstico de câncer hoje? Gisele - Manter a calma, se apegar naquilo que tem fé, seja a religião que for e se não tiver religião, confiar apenas na medicina. Pensamento positivo, se cercar de pessoas amadas e lutar! Nunca desistir ou se entregar à doença.
  • Instituto Oncoguia - Como você conheceu o Oncoguia? Gisele - Através de blogs que encontrei na internet quando procurava informações, ao saber que estava doente. E agradeço ao Oncoguia, que me ajudou muito.
  • Instituto Oncoguia - Você tem alguma sugestão a nos dar? Gisele - Continuar sempre atualizando o site com informações e depoimentos de pacientes e familiares. Isso nos ajuda demais.
  • Instituto Oncoguia - O que você acha que deveria ser feito para melhorar a situação do câncer no Brasil? Deixe um recado para os políticos brasileiros! Gisele - Olhar para a população. Vi muitos pacientes em desespero por falta de medicação de quimioterapia, falta de equipamentos para realizar exames, falta de médicos. Uma pessoa com diagnóstico de câncer e sem recursos para se tratar, é desesperador!


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2020 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive