Espaço do

Paciente


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Apoio
Roche Norvatis Varian Bristol Lilly Amgen Pfizer Astrazeneca Bayer Janssen Msd Google grants Techsoup Lookmysite Ipsen Servier UICC Merck Abbvie Mundipharma United Medical Takeda Astellas

[Câncer Colorretal] Arlinda S Lisboa

Aprendendo Com Você



Essa entrevista foi preenchida em 02/12/2019

  • Instituto Oncoguia - Quem é você? (idade, profissão, tem filhos, casada, cidade e estado?) Arlinda - 50 anos. Sou professora, 3 filhos, separada e de Iporanga/SP.
  • Instituto Oncoguia - Como foi que você descobriu que estava com câncer? Arlinda - Tinha muita disenteria (por anos). Engravidei e percebi que durante a gravidez toda estava com o mesmo peso. Sentia muitas dores no corpo, principalmente no lombar e também apresentei fezes com sangue.
  • Instituto Oncoguia - Você apresentou sinais e sintomas do câncer? Quais? Arlinda - Disenteria com sangue nas fezes.
  • Instituto Oncoguia - Quais dificuldades você enfrentou para fechar o seu diagnóstico? Arlinda - Por estar com a vesícula calcificada, os médicos achavam que era pedra na vesícula.
  • Instituto Oncoguia - Como você ficou quando recebeu o diagnóstico? O que sentiu? No que pensou? Arlinda - Desanimada. Meu filho ia fazer 5 anos e o mundo desabou. Achei que já estava condenada a morte.
  • Instituto Oncoguia - Qual foi a sua maior preocupação neste momento? Arlinda - Deixar meu filho ainda pequeno sem mãe.
  • Instituto Oncoguia - Você já começou o tratamento? Em que parte do tratamento você se encontra nesse momento? Se já finalizou, conte-nos um pouco sobre como foi enfrentar todos os tratamentos? Arlinda - Eu já terminei o tratamento. Operei em 2016, tirei uma boa parte do intestino. Peguei bactéria hospitalar e fiquei em coma. Mas me recuperei, fiquei com bolsa de colostomia por 1 ano e em 2017 fiz cirurgia de reconstrução. Fiquei curada do câncer e agora, 2019, descobri que estou com câncer no fígado e vou recomeçar o tratamento com cirurgia e quimio.
  • Instituto Oncoguia - Em sua opinião, qual é o tratamento mais difícil? Por quê? Arlinda - O emocional, pois o câncer ainda assusta e as pessoas não sabem que, se você se tratar, as chances pra sobreviver são grandes.
  • Instituto Oncoguia - Você sentiu algum efeito colateral diante ao tratamento? Como lidou com isso? O que te ajudou? Arlinda - Sim. Não senti tanto as náuseas, mas tive dormência e choques nas mãos e pés. Não tive problemas com plaquetas durante a quimio e me alimentei de forma nutritiva.
  • Instituto Oncoguia - Como foi/é a sua relação com seu médico oncologista? Arlinda - Me fez sentir confiante e segura. Ainda me trato com ela.
  • Instituto Oncoguia - Você se relacionou com outros profissionais? Se sim, quais e por quê? Arlinda - Sim, gastrocirurgião (devido a cirurgia de intestino e agora fígado), estomaterapeutas (tive colostomia e vístula), psicóloga (tive momentos de medo) e necrófolos (quase tive falência nos rins).
  • Instituto Oncoguia - Você fez ou faz acompanhamento psicológico? Se sim, conte-nos um pouco sobre a importância desse profissional nessa fase da sua vida. Arlinda - Em determinado momento precisei conversar com uma psicóloga, devido estar longe do meu filho pequeno ainda.
  • Instituto Oncoguia - Como está a sua vida hoje? Arlinda - Faço acompanhamento médico constante pois meu intestino não funciona normalmente e vou muito ao banheiro. Não voltei a dar aulas... Sou readaptada, mas ainda tenho abertura na fístula e agora vou recomeçar o tratamento para fazer a cirurgia no figado e depois quimioterapia.
  • Instituto Oncoguia - Você continua trabalhando ou parou por causa do câncer? Arlinda - Fiquei de licença desde fevereiro de 2016 até junho de 2019. Hoje estou readaptada, mas devido a reincidência do câncer pretendo tentar me aposentar por invalidez.
  • Instituto Oncoguia - Você buscou seus direitos? Se sim, quais? Arlinda - Não, pois fiquei muito debilitada devido aos problemas. Agora vou atrás dos meus direitos, como isenção do imposto de renda e aposentadoria.
  • Instituto Oncoguia - Quais são seus projetos para o futuro? Arlinda - Viver.
  • Instituto Oncoguia - Que orientações você daria para alguém que está recebendo o diagnóstico de câncer hoje? Arlinda - Ter Fé, se segurar na vontade de viver e acreditar que dias melhores viram.
  • Instituto Oncoguia - Como você conheceu o Oncoguia? Arlinda - Buscando na internet.
  • Instituto Oncoguia - O que você acha que deveria ser feito para melhorar a situação do câncer no Brasil? Deixe um recado para os políticos brasileiros! Arlinda - Priorizar os direitos dos colostomizados, pois o material é caro e de difícil acessibilidade. Tem determinada quantidade para se pegar, mas nem sempre é suficiente. Precisam também melhorar os direitos de quem faz ou fez quimio, pois nunca mais seremos como éramos antes.


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2020 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive